INTERNACIONAL

May desafia pressão para deixar cargo e tenta salvar Brexit

25 Mar 2019 - 08h01

A primeira-ministra Theresa May vem sendo pressionada a renunciar ou estabelecer uma data para deixar o cargo. Membros do Partido Conservador sinalizaram ontem que a saída da premiê poderia destravar a negociação para aprovar o Brexit no Parlamento. Ontem, o jornal The Sunday Times publicou que 11 ministros estão conspirando para derrubá-la.

Os boatos obrigaram os dois políticos conservadores mais cotados para o cargo de May a tentarem apagar o incêndio. "Mudar a primeira-ministra não vai ajudar. Mudar o partido no governo não vai ajudar", disse o ministro da Economia, Philip Hammond. "Eu estou 100% ao lado de May", garantiu o vice-premiê, David Lidington.
Ontem, May passou o dia reunida com colegas conservadores para recuperar o controle da bancada do partido. Negociando com ela estava a linha de frente dos eurocéticos, incluindo o influente Jacob Rees-Mogg e o ex-ministro das Relações Exteriores Boris Johnson.

O principal tema da discussão de ontem entre May e os eurocéticos era definir se há apoio suficiente no Parlamento para votar - pela terceira vez - o acordo de divórcio negociado entre a premie e a União Europeia. Bruxelas concedeu mais duas semanas de prazo para o Brexit, desde que os deputados britânicos aprovassem o acordo, rejeitado nas duas primeiras votações.

Se o Parlamento não aprovar o acordo, a UE estaria disposta a conceder mais tempo para o Reino Unido, desde que May apresentasse algum tipo de plano alternativo - que ela já declarou não ter. Por isso, as chances de um Brexit sem acordo aumentam a cada dia, o que representaria um duro golpe para a economia britânica. Em setembro, uma análise do Centre for European Reform indicou que o país vem perdendo US$ 650 milhões por semana com o processo de saída.

O restabelecimento de postos de fronteiras e fiscalizações sanitárias poderia causar uma crise de desabastecimento de remédios e alimentos. O novo regime tarifário, caso o Reino Unido saia sem acordo, prejudicaria as exportações britânicas. A França, por exemplo, compra sem imposto metade da produção de carne de cordeiro do país. Após o Brexit, a tarifa seria de 40%.

Manifestações

São detalhes como estes que levaram, no sábado, um milhão de pessoas às ruas de Londres para defender que o povo britânico seja consultado mais uma vez se deseja sair da UE. A maioria argumenta que este cenário caótico não foi mencionado no plebiscito de 2016.

Outra forma de pressão é uma petição online para revogar o Brexit, disponível no site do Parlamento, que ontem chegou a 5,3 milhões de assinaturas - batendo recorde de uma petição parlamentar. Embora não tenha caráter vinculante, o número é significativo porque já representa mais de 30% dos votos em favor da saída, em 2016. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

Recomendação saiu em nota emitida pela agência
Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas
Segurança

Tiroteio deixa pelo menos 11 mortos em escola na Rússia

Mais de 30 pessoas ficaram feridas na cidade de Kazan
Geral

"Ensine seu filho que a polícia não prende criança": Sheila ingressou na PM em 2013

Na reportagem especial do Dia das Mães, as "Mulheres da Segurança" falam das alegrias e desafios da maternidade
"Ensine seu filho que a polícia não prende criança": Sheila ingressou na PM em 2013
Saúde

Diretoria da Anvisa rejeita importação e uso da Sputnik V

Compra da vacina foi solicitada por estados e municípios
Diretoria da Anvisa rejeita importação e uso da Sputnik V
Ver mais de Mundo