Delivery Much
INTERNACIONAL

Primeiro-ministro húngaro vira modelo contra globalismo

19 Mai 2019 - 11h26Por Rodrigo Turrer

O cerco de Viktor Orbán à Universidade Centro-Europeia (CEU) não foi um caso isolado. A Hungria tinha 11 das melhores universidades da Europa pós-comunista. Funcionários públicos ligados ao Fidesz, partido de Orbán, foram nomeados para assumir as universidades públicas, controlando-as com firmeza. O financiamento de pesquisas, antes determinado por um corpo independente de acadêmicos, é agora avaliado por um legislador ligado ao premiê. O governo estimula os alunos a denunciar professores com "visões e políticas excessivamente à esquerda".

Orbán também reduziu a idade em que termina a escolaridade obrigatória, de 18 para 16 anos, provocando um aumento de desistências do ensino médio. Livros didáticos e currículos, antes regidos pelos municípios, foram centralizados e agora seguem os ditames do governo. Livros didáticos foram alterados com elogios a Orbán.

"Orbán sonha em liquidar a intelligentsia que o critica, mas ele é um autocrata moderno: sabe que não precisa recorrer ao cassetete", afirma Péter Kréko, analista do Instituto Capital Político, de Budapeste. "Seu ataque à sociedade civil chega sob o disfarce de leis que subvertem as instituições que podem desafiar sua autoridade."

Foi o caso do Judiciário. No ano passado, o Parlamento aprovou a criação de um sistema judicial paralelo que cimenta o controle do Executivo sobre os magistrados. A criação do gabinete judicial nacional, com poderes extraordinários para nomear e promover juízes, entrará em vigor nos próximos 12 meses.

O sistema tratará de casos relacionados à administração pública, incluindo questões políticas sensíveis, como a lei eleitoral, casos de corrupção e o direito de manifestação. Antes, Orbán conseguiu a aprovação de uma reforma da Justiça, com a aposentadoria forçada de 30 juízes do Supremo, abrindo caminho para suas indicações. Após quase dez anos de Orbán, a Hungria é o único país da UE que não é definido como "democrático" pelo Índice de Democracia da revista The Economist.

A Liga Norte, partido de extrema direita liderado por Matteo Salvini, que faz parte do governo da Itália, é uma das muitas legendas europeias que se inspiram no modelo de Orbán. Em março, os dois líderes se encontraram. Apertando a mão de Salvini e referindo-se às eleições europeias, Orbán disse: "Estou convencido de que a UE precisa de uma aliança contra a imigração". Outro país é a Polônia, que assim como a Hungria recebeu sanções da União Europeia sob argumento de ter atentado contra preceitos democráticos. Hungria, Itália e Polônia estão na rota de visitas programada pelo presidente Jair Bolsonaro para este ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Biden vai pedir quarentena a passageiros internacionais

Ele pediu ainda o uso de máscaras em transportes entre os estados
Saúde

Weg integra grupo que fará doação para nova usina de oxigênio ao Amazonas

O grupo fará uma doação para o programa Unidos Contra a Covid-19 no valor de R$ 1,6 milhão, referente a uma usina de produção de oxigênio, que deverá dar suporte aos hospitais públicos da região
Weg integra grupo que fará doação para nova usina de oxigênio ao Amazonas
Saúde

Vacinas da Índia devem chegar no fim da tarde de amanhã no Rio

Foram contratadas duas milhões de doses
Vacinas da Índia devem chegar no fim da tarde de amanhã no Rio
Saúde

Covid-19: Índia vai exportar doses de vacina para Brasil nesta sexta

Covid-19: Índia vai exportar doses de vacina para Brasil nesta sexta
Ver mais de Mundo