INTERNACIONAL

OEA propõe reformas por eleições na Venezuela

15 Fev 2019 - 22h00

A Organização dos Estados Americanos (OEA) advertiu nesta sexta-feira que criar as condições mínimas necessárias para haver eleição imparcial na Venezuela exigirá um prazo indeterminado. Secretário para o fortalecimento da democracia da OEA, Francisco Guerrero afirmou que é fundamental a saída de Nicolás Maduro para que ocorra uma disputa eleitoral justa.

A declaração foi dada em sessão extraordinária do Conselho Permanente da OEA para analisar a crise venezuelana. "Pensar em eleições com a estrutura atual sem levar a cabo reformas urgentes e profundas não é factível nem desejável", acrescentou Guerrero.

O embaixador venezuelano na OEA, Samuel Moncada, criticou a sessão, alegando que ela ocorreu mesmo com a objeção da própria Venezuela. Foi a primeira sessão celebrada pelo Conselho Permanente desde que em 10 de janeiro foi adotada uma resolução desconhecendo o mandato de Maduro, por se considerar que ele conseguiu sua reeleição em maio passado com fraudes.

Moncada disse que somente abandonaria a vaga correspondente à Venezuela se 24 países - dois terços dos membros - votassem a favor de suspender o país sul-americano durante uma Assembleia Geral convocada para esse fim. Até o momento, os países dispostos a condenar Maduro com uma suspensão na OEA não chegam a 24. Fonte: Associated Press.

Matérias Relacionadas

Geral

Inverno começa nesta segunda-feira no Hemisfério Sul

Estação se estenderá até 22 de setembro
Inverno começa nesta segunda-feira no Hemisfério Sul
Saúde

G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022

Compromisso consta em documento final da reunião de líderes do grupo
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
Esportes

Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela

Seleção faz 3 a 0 com gols de Marquinhos, Neymar e Gabriel Barbosa
Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela
Saúde

Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos

Estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência
Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos
Ver mais de Mundo