INTERNACIONAL

Itália: plano orçamentário e negociação com UE serão concluídos nos próximos dias

16 Dez 2018 - 09h50Por Nicholas Shores

O vice-premiê e ministro do Trabalho e Indústria da Itália, Luigi Di Maio, afirmou neste domingo que as negociações que o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, e o ministro de Economia e Finanças, Giovanni Tria, estão conduzindo com a União Europeia são fundamentais para evitar que o país seja submetido a um Procedimento de Déficit Excessivo (EDP, na sigla em inglês). "2019 será o ano da mudança, mas para isso é necessário trazer para casa o plano orçamentário e as negociações com a UE, que serão concluídos nos próximos dias", ele escreveu no blog do seu partido, o Movimento 5 Estrelas (M5S).

Justificando o expansionismo fiscal que o projeto de receitas e despesas italiano promove, Di Maio argumentou que pela primeira vez o governo fez acenos aos "suspeitos de costume" que custassem o "sacrifício dos cidadãos". "Pela primeira vez, nos deparamos com uma proposta orçamentária que não faz o povo pagar. É por isso que a criticam", alegou.

Até os já famosos protestos dos "coletes amarelos" na França foram abordados. "É também um momento especial na Europa. Na França, há pessoas protestando nas ruas, pedindo às elites do governo que implementem medidas como as que estamos fazendo" na Itália, comentou.

Matérias Relacionadas

Geral

Inverno começa nesta segunda-feira no Hemisfério Sul

Estação se estenderá até 22 de setembro
Inverno começa nesta segunda-feira no Hemisfério Sul
Saúde

G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022

Compromisso consta em documento final da reunião de líderes do grupo
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
Esportes

Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela

Seleção faz 3 a 0 com gols de Marquinhos, Neymar e Gabriel Barbosa
Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela
Saúde

Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos

Estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência
Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos
Ver mais de Mundo