Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Guaidó consegue apoio de sindicatos para pressionar governo Maduro

05 Mar 2019 - 20h55

O líder oposicionista e chefe da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, abriu nesta terça-feira uma nova frente contra o presidente Nicolás Maduro, ao conseguir o respaldo de algumas das principais centrais sindicais de funcionários públicos. "A pressão está apenas começando", afirmou Guaidó ao anunciar, após uma reunião de mais de duas horas com dirigentes de cinco centrais que agrupam mais de 600 sindicatos, que os funcionários públicos se somarão às ações de pressão contra o governo, ao realizar paralisações escalonadas que serão discutidas nos próximos dias.

Embora dentro do setor público exista grande descontentamento pela complexa situação econômica e social enfrentada pela Venezuela, até agora os funcionários não haviam se pronunciado sobre a crise política.

Guaidó se declarou presidente interino e conta com o respaldo de cerca de 50 países. Ele pediu apoio dos funcionários públicos para o movimento opositor e assegurou que a Assembleia Nacional promoverá uma lei de garantias para protegê-los de qualquer ação do governo.

Neste sábado, a oposição convocou protestos contra o governo. Maduro, por sua vez, convocou uma "marcha anti-imperialista" no mesmo dia, para mostrar que também possui apoio popular. Fonte: Associated Press.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Economia

Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias

Litro da gasolina ficou R$ 0,12 mais caro (4,8%)
Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias
Ver mais de Mundo