105 Ouça
Caraguá
INTERNACIONAL

Guaidó consegue apoio de sindicatos para pressionar governo Maduro

05 Mar 2019 - 20h55

O líder oposicionista e chefe da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, abriu nesta terça-feira uma nova frente contra o presidente Nicolás Maduro, ao conseguir o respaldo de algumas das principais centrais sindicais de funcionários públicos. "A pressão está apenas começando", afirmou Guaidó ao anunciar, após uma reunião de mais de duas horas com dirigentes de cinco centrais que agrupam mais de 600 sindicatos, que os funcionários públicos se somarão às ações de pressão contra o governo, ao realizar paralisações escalonadas que serão discutidas nos próximos dias.

Embora dentro do setor público exista grande descontentamento pela complexa situação econômica e social enfrentada pela Venezuela, até agora os funcionários não haviam se pronunciado sobre a crise política.

Guaidó se declarou presidente interino e conta com o respaldo de cerca de 50 países. Ele pediu apoio dos funcionários públicos para o movimento opositor e assegurou que a Assembleia Nacional promoverá uma lei de garantias para protegê-los de qualquer ação do governo.

Neste sábado, a oposição convocou protestos contra o governo. Maduro, por sua vez, convocou uma "marcha anti-imperialista" no mesmo dia, para mostrar que também possui apoio popular. Fonte: Associated Press.

GNet

Matérias Relacionadas

Saúde

Aumento de casos de Covid-19 não deve elevar número de óbitos, afirma ministro

Queiroga disse também que, nos próximos 15 dias, serão distribuídos 14 milhões de testes rápidos de antígenos.
Aumento de casos de Covid-19 não deve elevar número de óbitos, afirma ministro
Geral

Incêndio em Nova York deixa 19 mortos, nove deles crianças

Fogo no bairro de Bronx deixou ainda centenas de feridos
Economia

Dólar cai para R$ 5,63, após dados de emprego nos EUA

Bolsa subiu 1,14%, mas fechou semana em baixa
Saúde

Covid-19: reações à vacina em crianças são raras, dizem especialistas

Para pesquisadores, risco de não vacinar supera qualquer reação
Covid-19: reações à vacina em crianças são raras, dizem especialistas
Ver mais de Mundo