INTERNACIONAL

Em Moçambique, 15 mil ainda aguardam resgate após a passagem de ciclone

22 Mar 2019 - 06h51

Cerca de 15 mil pessoas precisam ser resgatadas rapidamente nas zonas inundadas de Moçambique após a passagem do ciclone Idai, que deixou mais de 350 mortos no sudeste da África na semana passada, disse ontem o ministro do Meio Ambiente, Celso Correia. No entanto, a destruição tem dificultado os trabalhos de resgate.
As equipes estão impressionadas com a magnitude da catástrofe, que provocou deslizamentos e inundações e deixou milhares de pessoas isoladas em telhados ou árvores.

O presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, estimou que o número de mortes pode passar de mil somente em seu país e decretou três dias de luto. Moçambique foi o país mais afetado pelo ciclone, que também atingiu Zimbábue e Malauí.

A prioridade é ajudar as milhares de pessoas que encontraram refúgio nas árvores, telhados ou ilhotas. Em alguns lugares, o nível da água atingiu até seis metros. Mas os socorristas, vencidos pela magnitude da catástrofe, enfrentam um dilema.

"Infelizmente, não podemos ajudar a todos. Por isso, nossa prioridade são as mulheres, as crianças e os feridos", disse Caroline Haga, da Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

A previsão do tempo, que anuncia mais chuva para os próximos dias, deve "piorar a situação", alertou o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Mulheres ainda são minoria em cargos de liderança e na ciência

Em todo o mundo, menos de 30% dos pesquisadores são mulheres
Mulheres ainda são minoria em cargos de liderança e na ciência
Economia

Dólar chega a R$ 5,55, mas fecha estável com notícias do exterior

Bolsa de valores sobe 1,35% e volta a superar os 112 mil pontos
Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Ver mais de Mundo