INTERNACIONAL

Crise venezuelana põe caso de diretores da Citgo presos em Caracas no limbo

19 Fev 2019 - 17h51Por AP

Seis executivos da refinaria Citgo, cinco deles americanos, estão há um ano e três meses presos na Venezuela. Segundo seus parentes, são acusados falsamente de corrupção. O destino deles, em meio ao impasse entre o presidente Nicolás Maduro e o líder opositor Juan Guaidó, é incerto, assim como o da empresa para o qual trabalha, sediada nos Estados Unidos, mas controlada pela estatal venezuelana PDVSA.

Tomeu Vadell é um desses executivos. Ele está em uma prisão militar controlada pelo Serviço de Inteligência Bolivariano, o Sebin, em Caracas. Nas poucas oportunidades que tem de contato com a família, pergunta se as filhas, que vivem na Lousiana, estão bem e frequentando a igreja. Ele conta que tenta passar o tempo fazendo ginástica na cela, para manter o corpo e a mente sãos. Poucos minutos depois, a ligação cai.

"Ele sempre diz que nunca tirarão sua necessidade", diz Cristina, de 27 anos, que é engenheira e trabalha em plataformas de petróleo, como o pai.

Segundo as famílias dos chamados "Seis da Citgo", os executivos estão detidos em condições precárias, em celas hiperlotadas, sem acesso a banho de sol nem ar livre. Vadell, segundo seus parentes, já perdeu 27 quilos na prisão. Em uma foto dele na prisão à qual a Associated Press teve acesso, o executivo está magro, abatido, com olheiras e ossos do rosto marcados.

Seu caso não dá mostras de que vai avançar. Uma audiência preliminar já foi adiada 12 vezes sem razão aparente, o que leva as famílias acreditar que os executivos devem ser usados como moeda de troca em negociações políticas.

"Com a crise atual, tudo é tão volátil que só temos mais incertezas", diz Cristinas. "Não sabemos o que vai acontecer, mas sabemos que não desistiremos até que ele volte para casa."

O drama de Vadell começou em novembro de 2017, quando a diretoria da PDVSA convocou os executivos para uma reunião de emergência.Foram chamados também Gustavo Cárdenas, chefe de relções estratégicas com acionistas; Jorge Toledo, vice-presidente de marketing; Alirio Zambrano, vice-presidente da refinaria de Corpus Christi, no Texas; José Luis Zambrano, vice-presidente de serviços, e José Ángel Pereira, presidente da Citgo.

Já em Caracas, em uma reunião na PDVSA, homens armados entraram na sala de conferências e prenderam os seis executivos. Horas depois, o procurador-geral Tarek Saab apareceu na TV estatal comunicando a prisão por suspeita de corrupção com títulos da dívida da Citgo. O próprio Maduro acusou os executivos de "traição".

"Ele viajou numa segunda-feira e voltaria numa terça", diz Dennysee, mulher de Vadelll. "Mas nunca retornou.

Às prisões, se seguiria um expurgo na indústria de petróleo venezuelana que culminaria com a demissão de Nelson Martínez da chefia da PDVSA. Em seu lugar, entrou Manuel Quevedo, general próximo de Diosdado Cabello, o homem forte do chavismo. Na Citgo foi assumida por Asdrúbal Chávez, primo do presidente Hugo Chávez e aliado de Maduro. Em dezembro, Martínez morreu sob custódia policial.

O governo americano monitora a situação. Autoridades venezuelanas têm negado o acesso de diplomatas aos presos porque, pela Convenção de Viena, Caracas não tem obrigação de reconhecer a dupla nacionalidade dos presos.

Ao canal de TV Fox News, o secretário de Estado Mike Pompeo disse que "onde haja um americano detido injustamente, faremos de tudo por sua libertação".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Príncipe Philip morre aos 99 anos

Palácio de Buckingham anunciou que o marido de Elizabeth II morreu nesta sexta-feira. A causa ainda não foi revelada. Em fevereiro, ele passou por uma cirurgia do coração.
Príncipe Philip morre aos 99 anos
Economia

Dólar sobe para R$ 5,64 após dois dias de queda

Bolsa oscilou bastante, mas fechou com pequena alta
Economia

WEG é a sexta maior empresa do Brasil

Empresa jaraguaense tem valor de mercado de R$ 157 bilhões
WEG é a sexta maior empresa do Brasil
Economia

Jaraguaense Bold cresce 30% em 2020 e inicia operações em Hong Kong, na Ásia

A entrada no mercado asiático faz parte do plano de expansão e internacionalização da empresa, que conta com mais de 500 colaboradores e possui 20 mil clientes
Jaraguaense Bold cresce 30% em 2020 e inicia operações em Hong Kong, na Ásia
Ver mais de Mundo