Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Apoio de Bolsonaro a Pinochet complica Piñera

23 Mar 2019 - 08h25Por Ricardo Galhardo e Daniel Weterman, enviados especiais a Santiago

"Não vim aqui para falar do Pinochet", foi uma das primeiras frases do presidente Jair Bolsonaro ao desembarcar em Santiago, na quinta-feira, 21, para três dias de visita oficial ao Chile. A declaração não foi suficiente. A oposição ao presidente chileno Sebastián Piñera tem usado a visita do brasileiro ao Chile como munição contra o governo.

O principal ponto explorado pela oposição é a defesa que integrantes do governo Bolsonaro fazem do ditador Augusto Pinochet, cujo regime é acusado de ter deixado 40 mil vítimas, entre mortos, desaparecidos e torturados, entre 1973 e 1990.
"É especialmente desconfortável para um presidente de direita democrático ter alguém mencionando Pinochet com uma conotação positiva. Para a direita chilena, tem sido difícil se afastar do fantasma de Pinochet. Ninguém à direita está feliz porque Bolsonaro está nomeando Pinochet. Isso atinge o governo. Isso faz com que ele se sinta desconfortável", disse o cientista político chileno Patricio Navia, professor da Universidade de Nova York.

O presidente da Câmara dos Deputados, Iván Flores, e o do Senado, Jaime Quintana, ambos oposicionistas, recusaram o convite de Piñera para participar de um almoço em homenagem a Bolsonaro neste sábado, 23, no palácio La Moneda, sede do governo chileno.

Quintana reagiu fortemente a uma declaração, feita na véspera pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. "No período de Pinochet, o Chile teve de dar um banho de sangue. Triste, o sangue lavou as ruas do Chile, mas as bases macroeconômicas fixadas naquele governo... Já passaram oito governos de esquerda e nenhum mexeu nas bases macroeconômicas colocadas no Chile no governo Pinochet", disse à Rádio Gaúcha.

Quintana classificou na sexta-feira, 22, a frase de Onyx como "um desatino que não tem comparação" e disse não se recordar de declarações desse nível por parte de um governo cujo mandatário pisou em solo chileno. "Creio que isso é um agravo não só à oposição, não só às vítimas, mas a todo o país", afirmou o senador.

Na sexta, o advogado Raúl Meza, defensor de repressores presos por crimes cometidos durante a ditadura, entregou uma carta na Embaixada do Brasil em Santiago pedindo que Bolsonaro aproveitasse a viagem para fazer uma visita ao presídio de Punta Peuco para, "na condição de militar", ver de perto a situação em que se encontram os militares condenados por violações aos direitos humanos durante a ditadura chilena. A comitiva de Bolsonaro se recusou a comentar o assunto, sob a alegação de que se trata de um tema de interesse interno do governo chileno.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Economia

Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias

Litro da gasolina ficou R$ 0,12 mais caro (4,8%)
Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias
Ver mais de Mundo