Séculus
Champions League

Contra Juventus, Bayern encara 'crise' e 'medo' da bola aérea na última chance de Guardiola

23 Fev 2016 - 15h39
Pode parecer incrível, mas um time com essa descrição vive uma crise.

Uma crise a seu modo, é claro, longe das que os clubes brasileiros estão acostumados a enfrentar. Mas o Bayern de Munique terá a gigante Juventus pela frente às 16h45 (horário de Brasília) desta terça-feira também tendo que conviver com o descontentamento da torcida e com uma instabilidade interna.

Os problemas do Bayern começaram da mesma forma que já haviam começado no ano passado: com uma crise de lesões. De uma hora para outra, o time ficou praticamente sem zagueiros. Perdeu Holger Badstuber, Javi Martínez, Jérôme Boateng e Mehdi Benatia.

Se viu obrigado a contratar alguém para a posição e acertou o empréstimo de Serdar Tasci, mas, logo nos primeiros treinos, também o perdeu por conta concussão.

Poderia ser só uma coincidência, um azar. Mas esse não é o tipo de coisa que acontece mais de uma vez. E, na temporada passada, o Bayern sofreu com o mesmo problema e até perdeu o responsável pelo departamento médico na ocasião, Dr. Hans-Wilhelm Müller-Wohlfahrt., que pediu demissão como resposta às críticas do catalão após a derrota para o Porto, pela Champions.

Desta vez, porém, a culpa caiu mais nas costas de Guardiola. "Quando alguma coisa quebra ou se rompe, ninguém deveria estar falando sobre azar ou ser um acidente. É lógico que erros sistemáticos nas cargas de treinamento e o controle dos movimentos dos jogadores são a causa", disse Lars Lienhard, um dos mais renomados cientistas esportivos da Europa.

 

A verdade é que Pep Guardiola puxou ainda mais pressão para cima dele quando anunciou que não renovaria seu contrato com o Bayern e a aumentou ainda mais essa pressão quando foi confirmado pelo Manchester City para a próxima temporada.

Neste fim de semana, o treinador teve até que ver uma faixa nas arquibancadas da Allianz Arena com os dizeres "Pep nunca foi um dos nossos" durante a vitória, de virada, para cima do Darmstadt.

 

E é nesse clima que o Bayern vai até a Itália desafiar sem a Juventus. E pior: ainda sem zagueiros. De todos os lesionados, só Tasci retomou a condição de entrar em campo - e, ainda assim, atuou no fim de semana, mas acabou substituído logo no começo do segundo tempo. Benatia até está recuperado da contusão que teve, mas ainda não está em forma para entrar em campo.

Se não confiar ainda na recuperação de Tasci, Guardiola deverá escalar Juan Bernat (1,70m) e Philipp Lahm (1,72m) nas laterais e formar a dupla de zaga com o lateral David Alaba (1,80m) e o volante Joshua Kimmich (1,74m). Isso seria um problema para encarar atacantes como Mario Mandzukic (1,87m), Álvaro Morata (1,90m) e Paulo Dybala (1,77m).

E isso para um time que já costuma ganhar apenas metade das jogadas aéreas na defesa, segundo estáticas do TruMedia.

Do outro lado, dos 52 gols que a Juventus fez entre Campeonato Italiano e Uefa Champions League, nove foram de cabeça.

"Nós não temos zagueiros - é essa a situação. Temos que atacar de forma inteligente e evitar conceder lances de bola parada, já que eles são talvez o melhor time em bola parada. Com Bonucci, Barzagli, Khedira, Pogba, eles são realmente grandes; a nosso zagueiro é Kimmich (volante de 1,76m)", disse Guardiola na entrevista coletiva na véspera da partida.

É nesta turbulenta situação que o técnico de 45 anos inicia seu último mata-mata de Champions League com o Bayern. Depois de derrotas contundentes para Real Madrid e Barcelona nas duas semifinais mais recentes, o treinador quer mostrar que é "um dos bávaros" antes de rumar à Inglaterra.

 

 
GNet

Matérias Relacionadas

Esportes

CBF libera a presença da torcida visitante em jogos

Comprovante de vacinação e teste são exigências
CBF libera a presença da torcida visitante em jogos
Esportes

Abertas as inscrições para a Taça Jaraguá do Sul de Futebol

O Congresso Técnico ocorre às 18 horas da próxima segunda-feira (18), na Arena Jaraguá.
Abertas as inscrições para a Taça Jaraguá do Sul de Futebol
Esportes

Felipão deixa comando técnico do Grêmio após derrota para Santos

Tricolor gaúcho é o vice-lanterna na classificação geral do Brasileiro
Felipão deixa comando técnico do Grêmio após derrota para Santos
Política

(VÍDEO) Presidente é impedido de ver jogo do Santos

Em agosto, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) publicou um protocolo para a volta dos torcedores ao estádio
(VÍDEO) Presidente é impedido de ver jogo do Santos
Ver mais de Futebol