Aftosa

Prioridade máxima é manter febre aftosa longe de Santa Catarina

13 Jan 2012 - 19h09

A vasta cadeia produtiva de carnes de Santa Catarina está em estado de alerta máximo com a ocorrência de foco de febre aftosa no departamento de San Pedro, no Paraguai. A doença está perigosamente próxima do território catarinense que conquistou o privilegiado (e único no Brasil) status de área livre de aftosa sem vacinação.


Eventual entrada da doença no Estado teria efeitos catastróficos para todos os setores da economia barriga-verde, alerta o diretor técnico do Instituto Catarinense de Defesa Agropecuária (ICASA), médico veterinário Gerson Catalan. Por isso, as indústrias de abate e processamento de carnes, os criadores, o governo, os consumidores e todos os agentes econômicos estão convocados para a proteção sanitária.

A ocorrência de febre aftosa no Paraguai coloca em risco a sanidade animal de Santa Catarina porque o vírus é facilmente transmissível: sempre que há proximidade de focos há riscos, pela movimentação de animais ou produtos cárneos. O maior risco, expõe Catalan consiste na entrada de animais, derivados e veículos não lavados e desinfectados adequadamente. Por isso, é essencial uma forte ação nas fronteiras, impedindo este ingresso.

O diretor executivo do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados de Santa Catarina (Sindicarnes), Ricardo Gouvêa, enfatiza que eventual entrada do vírus da aftosa em Santa Catarina teria consequência catastróficas para a econômica catarinense, pois, automaticamente, as exportações de carne seriam paralisadas, as agroindústrias teriam que demitir e os produtores não teriam para quem vender a produção. Uma cadeia produtiva que envolve mais de 500 mil pessoas entraria em UMA crise que repercutiria em todos os demais setores da sociedade barriga-verde.

Gouvêa mostra que a preocupação é "a conduta das pessoas", pois, em termos estruturais, Santa Catarina está preparada com laboratórios, veículos, equipamentos, barreiras, sistema de comunicação e profissionais capacitados para a proteção sanitária do território.     "Todas as pessoas e entidades são responsáveis pela segurança sanitária animal do Estado e devem, permanentemente, adotar atitude de prevenção, independente da ocorrência de focos, pois, quando há manifestações ou sintomas da doença, os animais já estão liberando vírus", conclui.

TRANSMISSÃO 

O bovino é o principal transmissor da doença. Por essa razão, Santa Catarina implantou o sistema de rastreabilidade, identificou os bovinos com "brincos" e informatizou as guias de trânsito de animais (GTA), entre outras providências, além de controlar a produção e a movimentação dos animais.


A aftosa é uma enfermidade altamente contagiosa que ataca os animais de casco dividido, principalmente bovinos, suínos, ovinos e caprinos. Ocorre em qualquer faixa etária, podendo se transmitir entre animais, por alimentos, água, ar e pelas mãos de pessoas que tiveram contato com animal contaminado. Cada produtor deve zelar pelo seu rebanho, evitar visitas, higienizar mãos e utensílios no manuseio dos animais e só adquirir animais de propriedades controladas pelo serviço oficial.

Em razão do evoluído status sanitário do Estado, em Santa Catarina os bovídeos não são vacinados há muitos anos e, por isso, não apresentam anticorpos, portanto, são muito mais vulneráveis do que os de outros estados que praticam a vacinação. A vantagem está relacionada aos mercados que o Estado conquistou como a exportação de carne suína para países que só adquirem de áreas livres de febre aftosa sem vacinação, como é o caso do Chile, Estados Unidos e Europa.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Lez a Lez lança acessório fashionista com toda renda revertida para ONGs de apoio à causa animal

A iniciativa surgiu como uma forma de colaborar com as instituições que enfrentam ainda mais dificuldades em manter o trabalho de resgate e acolhimento a pets abandonados
Lez a Lez lança acessório fashionista com toda renda revertida para ONGs de apoio à causa animal
Geral

Comunicador Fred Ulrich morre aos 71 anos

Por mais de 15 anos, ele comandou o programa Deutsche Music na Rádio Jaraguá levando o melhor da música e cultura germânica
Comunicador Fred Ulrich morre aos 71 anos
Geral

Equipe técnica faz mapeamento das nascentes em Jaraguá

Técnicos de empresa contratada pela Prefeitura precisam entrar nas propriedades particulares para cadastrar as nascentes. Secretário pede a colaboração dos proprietários pela importância do levantamento
Equipe técnica faz mapeamento das nascentes em Jaraguá
Geral

Leão baio invade propriedade e assusta moradores em Ituporanga

O animal invadiu um terreno no bairro Cerro Negro e não conseguiu mais sair. Segundo informações dos bombeiros, no local haviam alguns pavões
Leão baio invade propriedade e assusta moradores em Ituporanga
Ver mais de Geral