Delivery Much
GERAL

MP quer rever a concessão da Linha 5 do metrô de SP

02 Mai 2019 - 08h35Por Bruno Ribeiro e Fabio Leite

O Ministério Público Estadual recomendou que a gestão João Doria (PSDB) inabilite empresas que formam a ViaMobilidade, concessionária que opera a Linha 5-Lilás do metrô de São Paulo. Na prática, segundo o MPE, o pedido é que a concessão da linha, em vigor desde agosto do ano passado, seja suspensa por desclassificação das empresas. A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos informou que ainda não foi notificada.

Os alvos do promotor Marcelo Milani são as empresas RuasInvest e Andrade Gutierrez. A RuasInvest tem cerca de 17% da ViaMobilidade. O restante é da CCR, que tem na Andrade Gutierrez uma de suas proprietárias. A recomendação não tem força de decisão judicial e pode não ser acatada - se isso ocorrer, o MPE avalia o ingresso de uma ação civil, pedindo condenação por improbidade administrativa dos responsáveis.

A ViaMobilidade ofereceu R$ 553 milhões para operar a linha. Com recebimento de R$ 1,73 por passageiro transportado, a empresa tem direito de operar o ramal por 20 anos.

O MPE diz que o Grupo Ruas, do qual a RuasInvest faz parte, tem uma dívida previdenciária de R$ 2,6 bilhões, o que o impediria de fazer contratos com o poder público até que a dívida seja negociada. O Grupo Ruas é controlador de parte das linhas de ônibus de São Paulo, de onde a dívida teria se originado. No documento, o promotor afirma que, para continuar fazendo contratos com o poder público, o grupo "vem utilizando-se de estratégia fraudulenta de abrir novas empresas" e essa ação "nada mais é que uma tentativa de driblar a legislação".

No caso da Andrade, o MPE argumenta que a empresa liderou outro consócio, de obras, que em março abandonou a construção da Linha 17-Ouro (o monotrilho da zona sul), "causando prejuízos enormes aos cofres públicos". O abandono, para o MPE, "pode constituir violação do princípio da moralidade administrativa".

Processo

A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos informou que ainda não recebeu a representação e as exigências legais para a contratação do consórcio foram cumpridas. Na nota, o governo diz que a concessionária é uma Sociedade de Propósito Específico, "pessoa jurídica autônoma". A ViaMobilidade informou que "desconhece a iniciativa e as argumentações" do MPE e que assinou o contrato de concessão da linha "após cumprir todas as determinações do poder concedente, do edital e da comissão especial de licitação".

O texto afirma ainda que o grupo tem disposição de colaborar com as autoridades. A RuasInvest diz não possuir nenhuma dívida com a Fazenda nacional. "A dívida apontada se refere a empresas dedicadas à atividade de transporte rodoviário de passageiros, na qual a RuasInvest não tem participação." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Jaraguá acumula 207 mm de chuva em 96 horas

Nesta quinta-feira (21), as estações meteorológicas registraram uma precipitação de 41.8 milímetros até as 16h.
Jaraguá acumula 207 mm de chuva em 96 horas
Geral

Chuva não dá trégua e deixa Santa Catarina em estado de atenção

Na região, Defesas Civis Municipais seguem em alerta
Chuva não dá trégua e deixa Santa Catarina em estado de atenção
Geral

Chuva causa alagamentos em Bendito Novo

Foram 83 milímetros de chuva nas últimas 24h
Chuva causa alagamentos em Bendito Novo
Geral

Defesa Civil mantém alerta para deslizamentos de terra em Jaraguá

Até o início da manhã de quinta-feira, três ocorrências haviam sido registradas no 199 do município.
Defesa Civil mantém alerta para deslizamentos de terra em Jaraguá
Ver mais de Geral