Imobiliária Coralli
Saúde

Mais de mil crianças de zero a 14 anos morreram em SC em 2016

07 Mar 2017 - 11h47
Mais de mil crianças de zero a 14 anos morreram em SC em 2016 -
O ano de 2016 fechou com uma estatística triste para as famílias catarinenses. Ainda que os índices de mortalidade infantil sejam baixos no Estado, 1.187 crianças de zero a 14 anos perderam a vida. A questão se agrava quando causas da morte decorrem de situações evitáveis, como as condições ambientais insalubres, falta de saneamento, higiene inadequada, água não potável e diferentes tipos de poluição. Em Florianópolis, a cobertura com rede de saneamento é de 55%, segundo a Casan. No Estado, 25% de rede de saneamento passa por tratamento, conforme o instituto Trata Brasil.

Fatores assim interferem nos órgãos e sistemas imunológicos em desenvolvimento das crianças, tornando fatais doenças controláveis, como as infecciosas, parasitárias, respiratórias. Situações semelhantes são destaque num mapeamento da Organização Mundial de Saúde (OMS). Divulgado domingo, o relatório Inheriting a Sustainable World: Atlas on Children¿s Health and the Environment (em português, Herdando um mundo sustentável: Atlas sobre a saúde das crianças e o meio ambiente) revela que grande parte das causas mais comuns de morte de crianças de um mês a cinco anos no mundo são evitáveis.

O levantamento mostra que, anualmente, 1,7 milhão de meninas e meninos com menos de cinco anos morrem devido a problemas decorrentes da poluição ambiental. Em todo o mundo, de 11% a 14% das crianças com 5 anos ou mais relatam sintomas de asma e cerca de 44% delas estão relacionadas às exposições ambientais

Desigualdades regionais influenciam em números 

Em Santa Catarina, mesmo confirmando-se a tendência da queda da mortalidade infantil nas últimas décadas, há desigualdades sociais a serem enfrentadas. Há uma correlação direta entre acessos a serviços públicos e a incidência de mortes entre as crianças. No Planalto Serrano, a taxa é de 17,2 para mil nascidos vivos, seguida de 13,1 (Oeste) e 11,6 (Meio-Oeste). A Grande Florianópolis, por exemplo, mantém a menor taxa, com 8,6. Reflexo de itens como acesso a redes de serviços públicos mais estruturadas (água, esgoto e coleta de lixo), maior escolarização das mães e acompanhamento no período pré-natal.

Crianças também são expostas a produtos químicos nocivos (como fluoreto, chumbo e pesticidas como mercúrio, poluentes orgânicos persistentes e outros em bens manufaturados) por meio de alimentos, água, ar ou produtos  contaminados por substâncias tóxicas e isso faz crescer o número de pacientes infantis com tumores.

Outro exemplo apontado no relatório são as ameaças ambientais emergentes, como os resíduos eletrônicos e elétricos que são impropriamente reciclados e expõem a criança a toxinas que podem levar a uma redução da inteligência, déficits de atenção e até câncer.

Qualidade de vida interfere na mortalidade

Quanto melhor a qualidade de vida de uma população, menor será a taxa de morte de suas crianças. A observação é do pediatra Halei Cruz, médico da área técnica da Criança e do Adolescente na Secretaria de Estado da Saúde. O pediatra explica que a cada ano a taxa de mortalidade vem caindo e ter chegado a três dígitos (9.97), em 2014, é algo a ser destacado. Em parte, reconhece, deve-se a programas sociais, como o Bolsa Família, que melhorou a renda das famílias, e forçou a outros cuidados, como manter em dia a caderneta de vacinação.

Ainda assim, o médico chama a atenção para as diferenças regionais em território catarinense onde o empobrecimento das famílias é grande e carece de investimentos.

 

HoraSC

Matérias Relacionadas

Economia

Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS

A nova possibilidade poderá ser usada em 2021
Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS
Economia

Confiança do Consumidor tem primeira queda desde maio

Pesquisa foi feita pela Fundação Getulio Vargas
Confiança do Consumidor tem primeira queda desde maio
Educação

Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior

Em 2018, as matrículas dos calouros representavam 39,8% do total
Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior
Educação

Correios e MEC preparam a entrega de 197 milhões de livros didáticos

Serão entregues 197 milhões de livros em municípios de todo o país
Correios e MEC preparam a entrega de 197 milhões de livros didáticos
Ver mais de Geral