Geral

Governo libera recursos para o PAC 2, mas programa segue lento em SC

16 Abr 2012 - 13h16

Enquanto as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Maciço do Morro da Cruz, em Florianópolis, estão atrasadas em pelo menos um ano, o governo federal libera nesta segunda-feira R$ 404,4 milhões do PAC 2.

Esta fase do programa, garante, segundo o Ministério das Cidades, a continuidade das melhorias, injetando mais recursos aos projetos. Até agora, dos R$ 70 milhões do PAC1, na Capital, foram investidos apenas 37% (R$ 26,1 milhões). As obras de urbanização beneficiam quase 6 mil famílias de baixa renda que moram em áreas de risco.

Dos R$ 404,4 milhões do PAC2, o maior montante, R$196 milhões, é para Florianópolis. A promessa é acelerar a implantação de água e esgoto nas comunidades do Maciço e dentro de três anos aumentar a cobertura de tratamento de 55% para 75% em toda a cidade.

Também está prevista a implantação de uma macroadutora para a região do Bairro Itacorubi e um emissário submarino na Praia do Campeche, Sul da Ilha.

Mas para a conclusão das melhorias, somente a garantia dos recursos não basta. Os valores ficarão à disposição dos munícipios que devem apresentar projetos dentro das normas da Caixa Econômica Federal (CEF) e encontrar, por meio de licitação, empresas interessadas em executar as obras.

Na Capital, por não conseguir ultrapassar estes dois requisitos, a urbanização do maciço está paralisada em duas frentes de trabalho há seis meses e um deles sequer começou. O prazo de entrega das obras encerrou em março do ano passado e foi prorrogado por mais três anos ainda que com dinheiro à disposição.

- É um desafio para todos os órgãos. No nosso Estado é a primeira vez que se faz um trabalho com esta abrangência em áreas completamente diferentes das de costume. Lá, muitos materiais precisam ser carregados nas costas, as ruas não comportam a passagem de grandes caminhões e a geografia acidentada pode sempre surpreender os engenheiros - explica o prefeito de Florianópolis, Dário Elias Berger.

Nas 16 comunidades do maciço, localizadas na área central de Florianópolis, com tamanho equivalente a mais de 300 campos de futebol, apesar da sensação de angústia e incerteza pelo lento andamento das obras, o pouco entregue já mostrou bons resultados.

Na Caieira e na Serrinha o sistema de água e esgoto foi 100% executado. No Jagatá e na Queimada as obras de infraestrutura estão quase prontas. No Morro do Céu, as famílias têm ruas pavimentadas para caminhar e muros de contenção aumentaram a sensação de segurança.

É lá, que também foram entregues oito moradias novas, todas construídas com concreto armado de dois e três quartos e com até três pisos. A vista privilegiada da casa nova animam moradores como Juliana Silva e João Cardoso. Cada um ganhou uma moradia, ela uma rosa e ele uma verde. 

- Pelo menos aqui estamos seguros, duvido uma chuva que consiga derrubá-la - comemora Juliana.

DIÁRIO CATARINENSE

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Projeto pretende criar Regime Especial de Contratação de Mulheres Vítimas de Violência Domésticas

A redação do PL determina que o SINE de Jaraguá do Sul destine 10% das vagas mensais do mercado de trabalho para encaminhar mulheres do Regime Especial às entrevistas de emprego em Jaraguá
Economia

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul

Para falar um pouco sobre a trajetória da empresa, Guido e Gabriel Seifert participaram ao vivo do Diário da Jaraguá desta sexta-feira (16)

Seifert Óptica e Joalheria completa 35 anos em Jaraguá do Sul
Geral

Furão é resgatado em jardim de residência em Schroeder

Fato ocorreu na rua 3 de Outubro, no bairro Centro-Norte
Furão é resgatado em jardim de residência em Schroeder
Geral

Celebrações marcam os 15 anos da morte de Padre Aloísio Boeing

Padre Aloísio morreu no dia 17 de abril de 2006 e foi sepultado no jardim, ao lado da Igreja Nossa Senhora do Rosário, no Bairro Nereu Ramos
Celebrações marcam os 15 anos da morte de Padre Aloísio Boeing
Ver mais de Geral