GERAL

Desativação do Minhocão divide especialistas e moradores

22 Fev 2019 - 08h43Por Júlia Marques

A proposta da Prefeitura de São Paulo de desativar e transformar em parque o Elevado João Goulart, o Minhocão, divide especialistas e moradores da região. Se por um lado, a proposta atende à parte de cima do viaduto, já usada para o lazer pelos paulistanos nos fins de semana, por outro, ainda há dúvidas sobre as vantagens na área sob o concreto e aos prédios do entorno.

Para o professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP) Renato Cymbalista, a construção da estrutura, na década de 1970, foi uma "aberração urbanística". Nos últimos anos, diz ele, decisões "corajosas", como a extensão do tempo de uso da via para pedestres à noite e nos fins de semana, mudaram o foco dos veículos para as pessoas. O novo projeto também teria essa característica. "A ideia é fazer o parque e depois ver o que acontece com os carros."

O engenheiro de trânsito Sergio Ejzenberg já prevê problemas. Segundo ele, veículos que circulam no viaduto vão engrossar o congestionamento na região. "O fluxo vai ser deslocado para outras áreas." Se a estrutura fosse desmontada, diz Ejzenberg, avenidas embaixo poderiam ser remodeladas, com mais faixas para carros e o aumento do uso de bicicletas. Mas, com a manutenção dos pilares de concreto, não sobra espaço para essa possibilidade.

A degradação da área sob o viaduto, úmida e escura e onde se concentram moradores de rua e usuários de drogas, é outra preocupação. "Manter a estrutura vai pressupor um projeto de iluminação cuidadoso", diz Cymbalista. Para ele, porém, a retirada dos carros abre novos horizontes. "(É possível) estreitar a pista em alguns lugares, para que se aumente a distância entre o parque e os edifícios, fazer buracos", exemplifica.

Já Francisco Machado, do Movimento Desmonte Minhocão, não vê benefícios para a parte inferior e prevê novos problemas na de cima. "Vamos ter a grave possibilidade de uma cracolândia suspensa", diz ele, que também teme a falta de manutenção da via. Hoje, o Minhocão tem pontos de infiltração e alagamentos. O grupo defende o desmonte da estrutura sob o argumento de que moradores de prédios vizinhos perderam a privacidade e ganharam dor de cabeça. "Querem colocar milhares de pessoas olhando para dentro dos apartamentos."

Já quem defende o parque suspenso, porém, entende que ele já ganhou os paulistanos. "A população se apropriou do espaço", diz Athos Comolatti, fundador da Associação Parque Minhocão. O grupo, diz, não participou do novo projeto, mas aprova a proposta. "Para conseguir o que conseguimos hoje, tivemos de focar na parte de cima. Uma coisa de cada vez." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Defesa Civil registra deslizamentos de terra em Guaramirim

Um escorregamento de terra ocorreu no morro da Polícia Militar, alagamentos em diversos pontos do interior e centro da cidade pela quantidade de água, entre outros episódios.
Defesa Civil registra deslizamentos de terra em Guaramirim
Saúde

Estado chega a 238 mil doses aplicadas contra a Covid-19

Os dados foram divulgados nesta segunda,1º de março, no Balanço Parcial de Vacinação da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina
 Estado chega a 238 mil doses aplicadas contra a Covid-19
Saúde

Medidas de enfrentamento à covid-19 valem até dia 15 em Jaraguá

A partir desta segunda-feira (1), atividades comerciais não essenciais têm seu funcionamento permitido até as 22h
Medidas de enfrentamento à covid-19 valem até dia 15 em Jaraguá
Saúde

Corupá tem medidas contra o novo coronavírus

Restrições passam a valer nesta segunda-feira (1º)
Corupá tem medidas contra o novo coronavírus
Ver mais de Geral