ECONOMIA

Modelo com governo comandando 50% dos recursos corrompe política, diz Guedes

25 Mar 2019 - 18h12Por Fabrício de Castro e Idiana Tomazelli

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira, 25, durante evento com prefeitos em Brasília, que o modelo atual, em que o governo comanda "50% dos recursos por definição, corrompe a política". Segundo ele, o País não conseguiu fazer a transição econômica e ficou "no meio do caminho".

"O governo federal começou a criar contribuições e jogou ao mar os Estados e municípios", disse Guedes, para lembrar depois que quem executa as políticas públicas são justamente estes entes federativos. "Os recursos precisam estar na base para fazer saúde, educação, saneamento. O dinheiro hoje está com o governo federal, que se atrapalha e gasta mal", afirmou.

Guedes disse ainda que o governo está confiante de que o Congresso sabe o tamanho do desafio do País e que atuará "construtivamente". "Estamos cheios de notícia boa, mas não podemos avançar com ela antes da pauta mais difícil, que é a previdenciária", acrescentou. "Não podemos disparar outras agendas porque a qualquer hora pode morrer pela Previdência", afirmou.

Ao falar da intenção do governo de criar condições para a cobrança de preços mais baixos no setor energético, Guedes afirmou que é preciso "quebrar a maldição de dois monopólios no setor de gás". O ministro, no entanto, não se aprofundou sobre a questão.

Democracia

O ministro da Economia defendeu ainda, durante sua participação em encontro de prefeitos, que o Brasil está virando uma "democracia extraordinária, com poderes independentes". "A mídia sofreu ruptura, entraram as redes sociais e disseram: 'não é bem essa história que vocês estão contando'", afirmou. "Isso ninguém controla, surpreendeu establishment". O ministro afirmou ainda que a mídia "tomou susto agora achando que tem controle da opinião pública e não tem".

De acordo com Guedes, a democracia no Brasil está revigorada e as pautas políticas são temáticas. "Evidentemente, peço todo empenho possível (de prefeitos). É direto na veia, fizemos a reforma, sobram recursos para Estados e Municípios", afirmou. "Este ano pode ser extraordinário para o Congresso. O sistema antigo ruiu, e coloco a culpa no regime econômico. A economia dirigista colocava poder demais no governo central, o que provocou mau funcionamento do sistema político. O poder público precisa ser limitado e descentralizado. Quando o poder é absoluto, corrompe tudo", acrescentou.

O ministro e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, participaram na tarde desta segunda-feira da 75ª reunião geral da Frente Nacional de Prefeitos (FNP)

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Economia

Pagamento do abono anual para segurados da Previdência é antecipado

Abono equivale ao 13º salário dos segurados
Pagamento do abono anual para segurados da Previdência é antecipado
Ver mais de Economia