ECONOMIA

Guedes afirma que reforma de militares pode ter impacto de R$ 100 bilhões

20 Mar 2019 - 18h43Por Camila Turtelli, Mariana Haubert, Julia Lindner

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o projeto de lei sobre a reforma da Previdência dos militares pode ter um impacto de R$ 100 bilhões. "Trouxemos essa reforma para cá, são dezenas de bilhões. Chega a quase R$ 100 bilhões, a contribuição nos próximos dez anos e daí para frente, o regime dos militares será superavitário. Mais do que justo também houve um programa", disse Guedes.

Guedes, no entanto, não deu detalhes de como isso deve acontecer. Guedes entregou o projeto à Câmara dos Deputados na companhia do presidente Jair Bolsonaro e dos ministros da Casa Civil e Defesa, Onyx Lorenzoni e Fernando Azevedo e Silva.

"Viemos fazer a entrega para Rodrigo Maia da contribuição dos militares para nossa reforma previdenciária. A reforma que orçamos em R$ 1,170 trilhão, é, pela equipe econômica, considerada indispensável para que possamos retomar o crescimento econômico", disse ao deixar o gabinete do presidente da Câmara.

Caso a reforma não seja feita, segundo ele, o Estado estaria "rumo à insolvência". "Por isso, encaminhamos uma reforma com potencial fiscal, acima de um trilhão de reais e os militares, as forças armadas brasileiras, com o patriotismo de sempre, entenderam a importância em participarem dessa contribuição", disse.

Segundo Guedes, o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, fechou os detalhes da reforma dos militares ainda nesta quarta-feira, 20, juntamente com o ministro da Defesa. O ministro da Economia afirmou que o projeto trata de um programa de reestruturação da carreira. "Sentimos que estamos fazendo uma correção não só da Previdência, mas também do lado de reduzir privilégios", disse. "O projeto trata basicamente da proteção social dos militares", disse.

Segundo ele, foram realizadas duas negociações diferentes entre dos militares. "Nós da economia não entramos em nada da reestruturação dos militares", disse.

O ministro da Defesa, Azevedo e Silva, afirmou que os militares vão contribuir com o "enorme esforço fiscal para o País", disse. Ele ressaltou as peculiaridades da carreira e disse que os militares "não têm uma relação de trabalho entre patrão e empregado", disse.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Indústria catarinense cresce 36,5% em março, maior alta do país

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada na terça-feira (11).
Indústria catarinense cresce 36,5% em março, maior alta do país
Economia

Associado Sicredi Norte SC recebe R$ 50 mil em sorteio do seguro de vida

Entrega simbólica do prêmio ocorreu na Agência Centro em Joinville.
Economia

Governo do Estado realiza reuniões para tratar novo auxílio emergencial

O objetivo foi debater como o auxílio será pago, além de outros trâmites administrativos.
Governo do Estado realiza reuniões para tratar novo auxílio emergencial
Política

Governador vai à Alesc pedir fim do veto em projeto que destina recursos para rodovias federais

Durante reunião com os deputados, o chefe do Executivo elencou os motivos para barrar o veto realizado durante o governo interino.
Governador vai à Alesc pedir fim do veto em projeto que destina recursos para rodovias federais
Ver mais de Economia