Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Dólar volta a fechar estável com expectativa por Previdência e leilão do BC

26 Fev 2019 - 19h45Por Altamiro Silva Junior

O dólar fechou novamente perto da estabilidade nesta terça-feira, 26, repetindo o movimento da segunda-feira. Nas mesas de câmbio, prossegue a cautela sobre a tramitação da reforma da Previdência, mas o enfraquecimento da moeda americana no exterior, que se acentuou na parte da tarde, fez o dólar zerar a alta que vinha mostrando desde a parte da manhã. Operadores relatam que os investidores aguardam o leilão de linha que o Banco Central fará nesta quarta-feira (27) de US$ 3 bilhões, que é a venda de dólares à vista com compromisso de recompra. O dólar à vista terminou o dia em leve alta de 0,04%, a R$ 3,7451.

As mesas de câmbio começaram o dia antecipando compras da moeda americana, por causa do feriado de carnaval, que mantém o mercado de moedas fechado aqui, mas não nos Estados Unidos. Com isso, a cotação do dólar futuro acabou sendo negociada abaixo da moeda no mercado à vista em boa parte do dia. Mas o movimento perdeu força na parte da tarde, em meio às expectativas dos eventos para os próximos dias. Por conta dessa antecipação, o volume de negócios no mercado à vista foi acima da média dos últimos dias, ficando em US$ 1,6 bilhão. No mercado futuro, a liquidez também aumentou, somando US$ 19 bilhões. O dólar para março fechou em queda de 0,21%, a R$ 3,7440.

Na reforma da Previdência, pesquisa da XP Investimentos com parlamentares mostra que 58% dos deputados e 64% dos senadores preveem que o texto seja votado até junho na Câmara, mas eles não concordam com uma das principais mudanças do texto, o estabelecimento da idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres: apenas 27% dos deputados e 32% dos senadores disseram apoiar essas idades. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) reafirmou acreditar que o texto chegue na Câmara em final de maio ou início de junho, mas causou desconforto nas mesas a afirmação do deputado de que o governo não tem base hoje nem para aprovar a autonomia do Banco Central, que precisa de maioria simples dos votos. "Hoje o governo tem o PSL na base e não tem mais partido algum", disse ele, cobrando maior articulação de Jair Bolsonaro.

Em sabatina no Senado, o novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu o avanço da reforma da Previdência e disse que "vale refletir" se o preço que o país paga por carregar volume alto de reservas internacionais vale a pena. Na avaliação do economista e sócio da Tendências Consultoria Integrada, Gustavo Loyola, ex-presidente do BC, o discurso do novo presidente sinalizou continuidade da forma de atuação do BC, sem maior rupturas.

Para Loyola, a aprovação da reforma da Previdência é essencial para o dólar cair de forma mais consistente, pois a aprovação deve atrair fluxos de capital externo. "Se tiver melhora com relação a situação fiscal, o País tem espaço aberto para a queda do prêmio de risco, pode atrair maior fluxo de capital, que deve apreciar o real", disse ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete

Tabela foi publicada hoje no Diário Oficial da União
Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete
Geral

Presidente e diretor de Inovação da CDL falam sobre aplicativo da entidade

Aplicativo CDL Box vai trazer benefícios para lojistas e consumidores
Presidente e diretor de Inovação da CDL falam sobre aplicativo da entidade
Geral

Abertas as inscrições para processo seletivo de recenseador do IBGE

A remuneração do profissional vai depender da produtividade, mas pode chegar a R$ 2656,00. São 161 as vagas disponíveis para Jaraguá do Sul
Abertas as inscrições para processo seletivo de recenseador do IBGE
Economia

Lunelli distribui R$ 12 milhões aos colaboradores, mesmo após ano desafiador

Lunelli distribui R$ 12 milhões aos colaboradores, mesmo após ano desafiador
Ver mais de Economia