Segurança

MP ajuíza ação contra autoescolas da região de Jaraguá

Ação Civil Pública foi ajuizada pela 7ª Promotoria de Justiça de Jaraguá do Sul a partir de investigação do GAECO

21 Abr 2021 - 08h06Por Da Redação
MP ajuíza ação contra autoescolas da região de Jaraguá - Crédito: Arquivo / Divulgação Crédito: Arquivo / Divulgação

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) ingressou com ação civil pública para que 10 Centros de Formação de Condutores de Jaraguá do Sul e região, a Associação dos Centros de Formação de Condutores da Micro Região do Vale do Itapocu (Acecovi) e o Sindicato dos Centros de Formação de Condutores reparem danos morais e materiais coletivos causados pela fixação artificial de preços, o que consiste em formação de cartel. 

O MPSC pede a condenação de cada um dos envolvidos ao pagamento individual de R$ 212 mil reais por reparação de danos morais e materiais coletivos. O valor corresponde a 10% da média da receita bruta anual de 2014 a 2018 das autoescolas e será revertido ao Fundo de Reconstituição de Bens Lesados (FRBL). A ação também pede, a fim de coibir a repetição da prática ilegal, que os réus sejam proibidos de voltar a fixar artificialmente preços, sob pena de multa de R$ 500 mil em caso de descumprimento. 

A formação do suposto cartel foi apurada pela 7ª Promotoria de Justiça de Jaraguá do Sul, a partir de provas juntadas pela operação Sinal Vermelho, desenvolvida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) em 2018, em apoio à 4ª Promotoria de Justiça de Jaraguá do Sul. 

A operação foi deflagrada para apurar supostos crimes contra a Administração Pública envolvendo autoescolas da região e servidor público estadual que teria recebido vantagens indevidas para viabilizar a aprovação de alunos em exames para obtenção de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e acabou flagrando, também, a suposta formação de cartel.  

Naquela operação, com autorização da Justiça foram interceptadas conversas entre os gestores da Acecovi nas quais combinavam uma reunião em uma das autoescolas com o objetivo de definir uma nova tabela de preços e quais serviços deveriam ter os valores reajustados. A reunião de fato aconteceu, conforme diligência do GAECO que flagrou 11 pessoas participando do encontro que pretendia fixar preços artificialmente.  

Na ação na esfera cível, o Promotor de Justiça Marcelo José Zattar Cota busca a reparação da sociedade pelos danos morais e materiais causados à sociedade pelas autoescolas e entidades que as representam, pois ao combinar os preços praticados, "deixam de empreender esforços para prestar um serviço eficiente ao consumidor, deixando este refém do preço praticado e independentemente da qualidade do serviço prestado". 

Em decorrência dos fatos, foi oportunizado às autoescolas a assinatura Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) a fim de regularizar a situação e reparar os danos causados. Porém, nenhum dos investigados aceitou formalizar o acordo, restando ao Ministério Público propor a Ação Civil Pública para compelir os réus em obrigação de não fazer consistente em não fixar preços artificiais para a capacitação de condutores por meio de aulas teóricas e práticas, além de indenizar a sociedade. 

Segundo o Promotor de Justiça, ficou evidente que os réus praticaram a conduta de fixação artificial de preços - conhecida como "formação de cartel" - descrita na Lei n. 8.137/90, que define crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo.  

Para o Ministério Público, essa prática atenta contra os interesses econômicos dos consumidores, que ficam impedidos de encontrar o melhor preço do serviço em um cenário de plena livre concorrência, em que cada autoescola concorre com as outras para obter o maior lucro possível fornecendo o melhor serviço pelo menor preço, dentro de suas possibilidades, ou mesmo deixando ao consumidor a escolha entre um serviço melhor e mais caro, e outro serviço pior e mais barato. 

A ação, que é embasada pela legislação que rege as relações de consumo e na Constituição Federal, que prevê repressão ao abuso do poder econômico que vise à dominação dos mercados, à eliminação da concorrência e ao aumento arbitrário dos lucros foi ajuizada nesta semana e ainda pende de decisão judicial. 

 

FONTE: MPSC 

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Segurança

Duas pessoas são socorridas após tentativa de furto em escola em Massaranduba

Duas pessoas são socorridas após tentativa de furto em escola em Massaranduba
Segurança

Mulher é ferida com arma branca em escola em Massaranduba

Caso ocorreu na noite desta segunda-feira (17)
Mulher é ferida com arma branca em escola em Massaranduba
Segurança

Motociclista fura blitz e cai ao tentar fugir da polícia em Guaramirim

A ocorrência foi registrada na tarde desta segunda-feira (17)
Motociclista fura blitz e cai ao tentar fugir da polícia em Guaramirim
Segurança

Bombeiros apagam incêndio em veículo em Jaraguá do Sul

Bombeiros apagam incêndio em veículo em Jaraguá do Sul
Ver mais de Segurança