transito
POLÍTICA

Senado aprova projeto sobre bloqueio de bens de alvos ligados ao terrorismo

20 Fev 2019 - 20h26Por Teo Cury

Depois de passar com alguma resistência pela Câmara dos Deputados na semana passada, o projeto que atualiza e endurece regras de combate a criminosos e empresas envolvidos em lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo foi aprovado, em votação simbólica, no Senado Federal nesta quarta-feira, 20. O projeto, uma das urgências do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, vai agora para o Planalto, para sanção presidencial.

Mais cedo, as comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado aprovaram o projeto para assegurar o bloqueio rápido de bens de envolvidos com terrorismo.

Em tramitação desde 2018, a proposta precisava ser aprovada com urgência, sob risco de o Brasil entrar na "lista negra" de nações não engajadas na prevenção a esses crimes. O País poderia sofrer sanções econômicas, políticas e diplomáticas de países como Estados Unidos e membros da União Europeia.

Em entrevista ao Estado no início de fevereiro, Moro disse que "se o projeto não for aprovado o Brasil será suspenso do Gafi e será desastroso para o ambiente de negócio". O Gafi é o Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo, uma espécie de fórum intergovernamental mundial que promove leis e normas globais contra a lavagem de dinheiro.

Em 2010, o grupo comunicou o Brasil de suas deficiências na adoção das resoluções do Conselho de Segurança da ONU para combate ao terrorismo. Em junho de 2018, o País foi advertido de que o não cumprimento das recomendações poderia resultar em sanções, como a expulsão - medidas menos drásticas já foram adotadas para pressionar o governo local.

Moro está em Paris, onde participa da Segunda Reunião Plenária do mandato XXX do Gafi. O ministro deve anunciar a decisão do Senado durante o encontro. A avaliação do Brasil está prevista para a tarde desta sexta-feira, 22.

Antes da sessão plenária que aprovou o projeto, o novo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), disse a jornalistas que estava animado por ter construído acordo com todos os partidos, inclusive os da oposição.

"O Brasil era o único país-membro que não tinha atendido todas as recomendações da terceira rodada de avaliação que foram feitas no âmbito da OCDE, que deu prazo até fevereiro. Com a construção desse acordo, no âmbito das duas comissões, acho que vamos ter aqui o acordo", disse.

Após a decisão, o senador Major Olímpio (PSL-SP) comemorou a vitória do governo no Senado. "O Brasil passaria a ter sanções do não cumprimento em relação a condicionantes estabelecidos pelo Conselho de Segurança da ONU, colocando o Brasil no rol ou na lista negra de países como Irã, Coreia do Norte, que não são signatários de acordos em relação ao enfrentamento do terrorismo."

O senador Carlos Viana (PSD-MG) disse que o projeto "deixa muito claro que o Brasil se junta a outros países num esforço muito grande e que o prazo foi dado para que, legalmente, aqueles envolvidos, ou em determinado momento em que tenham os seus bens bloqueados, possam, dentro também da nossa legislação, se manifestar e ter o direito de defesa".

Na avaliação do senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), o Senado deu uma contribuição adequada ao Brasil. "Entrega um texto de acordo internacional para a reunião do Gafi, mas sem abrir mão de princípios sensíveis de soberania nacional e dos direitos individuais", disse o senador.

Para o senador Marcos Rogério (DEM-RO), o projeto aprovado hoje na Casa é uma matéria sobre a qual o Congresso tem de se debruçar e aprovar com o intuito de atenda à expectativa da comunidade internacional.

"O Gafi é uma organização supranacional, que tem papel importante no combate à lavagem de capitais, financiamento ao terrorismo e financiamento à proliferação de armas de destruição em massa, que são ameaças à sociedade nesses tempos. Então, eu queria apenas fazer um registro aqui para enaltecer o esforço deste Senado em votar essa matéria no dia de hoje."

Matérias Relacionadas

Política

Lunelli cobra instalação de equipamentos na Escola Professor Lino Floriani

Unidade atende quase 700 estudantes, que aguardam para usar os kits na rotina escolar
Lunelli cobra instalação de equipamentos na Escola Professor Lino Floriani
Política

Modal ferroviário é tema de debate na Assembleia Legislativa de Santa Catarina

Encontro foi proposto pelo deputado Antídio Lunelli, presidente da Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da Alesc
Modal ferroviário é tema de debate na Assembleia Legislativa de Santa Catarina
Saúde

Comissão de Saúde da Alesc aprova projetos que asseguram direitos à pessoa com autismo

Ambos os projetos são de autoria do deputado Vicente Caropreso (PSDB)
Comissão de Saúde da Alesc aprova projetos que asseguram direitos à pessoa com autismo
Política

Governo do Estado autoriza contratação do Plano Estadual de Logística de Transporte

O deputado estadual Antídio Lunelli, que também preside a Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da ALESC, esteve no evento, parabenizou o governo pela iniciativa e disse que a medida é essencial para desafogar
Governo do Estado autoriza contratação do Plano Estadual de Logística de Transporte
Ver mais de Política