GERAL

Vale: Novas desocupações em áreas de risco de barragens devem afetar 125 pessoas

20 Fev 2019 - 16h05

A Vale informou que a desocupação da Zona de Autossalvamento (ZAS) das barragens Vargem Grande, do Complexo Vargem Grande, em Nova Lima (MG), e Forquilha I, II e III e Grupo, na Mina Fábrica, em Ouro Preto (MG) exigirá a remoção de cerca de 125 pessoas. As Zonas de Autossalvamento (ZAS) são aquelas que, de acordo com os especialistas, são mais rapidamente atingidas pela lama em caso de rompimento das barragens.

Desde a tragédia de Brumadinho, cujo o rompimento de duas barragens da Mina de Córrego do Feijão caminha para deixar mais de 300 mortos, a empresa já removeu, com o auxílio da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros, moradores e empresas dessas áreas de cinco barragens. Restam três das oito que figuram como de maior risco ao lado das de Brumadinho nos relatórios de risco da empresa que foram anexados pelo Ministério Público na Ação Civil Pública (ACP) contra a empresa: Menezes II, em Brumadinho, e Capitão do Mato e Taquaras, em Nova Lima.

O Broadcast questionou a empresa a respeito das áreas de risco dessas três estruturas, mas ainda não obteve resposta. De acordo com a empresa, não houve alteração nos parâmetros geotécnicos de nenhuma das estruturas, mas a decisão envolve outros fatores além dos riscos de morte em caso de rompimento. Do ponto de vista legal e regulatório, empresas responsáveis pela certificação das barragens, como a própria TüV Süd, que atuava em Córrego do Feijão, estão se recusando a auditar as barragens, o que aumenta o risco para a empresa e seus gestores.

No domingo, após determinar a desocupação da ZAS da barragem de B3/B4 no sábado à noite, a Vale informou que fará a remoção de pessoas ou evacuação emergencial imediatamente, caso haja necessidade. Até agora, a empresa também não informou qual será o procedimento de indenização ou compra das propriedades nessas regiões, onde também funcionam pousadas e estabelecimentos comerciais.

Veja abaixo a situação das ZAS das barragens citadas no relatório divulgado pelo MP e a íntegra do comunicado enviado agora pela mineradora:

Rompidas
Barragens I - Mina Córrego Feijão - Brumadinho
Barragem IV-A - Mina Córrego Feijão Brumadinho

Desocupadas
Barragem Laranjeiras - Mina de Congo Soco - Barão de Cocais
Barragem Dique B - Mina de mar azul - Nova Lima
Barragem Forquilha I - Mina de Fábrica - Vargem Grande
Barragem Forquilha II - Mina de Fábrica - Vargem Grande
Barragem Forquilha II - Mina de Fábrica - Vargem Grande

Situação não informada
Barragem Menezes II - Brumadinho
Barragem Capitão do Mato - Nova Lima
Barragem Taquaras - Nova Lima

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Chuva provoca estragos em Jaraguá

Em poucos minutos, no fim da tarde de segunda-feira (1º), choveu 80 milímetros e o acumulado do dia chegou a 100 milímetros.
Chuva provoca estragos em Jaraguá
Geral

Chuva prejudicou estradas em todo o interior de Corupá, afirma Prefeitura

Com o terreno bastante encharcado e a continuidade da chuva, os deslizamentos de encostas é outro perigo iminente
Chuva prejudicou estradas em todo o interior de Corupá, afirma Prefeitura
Geral

Defesa Civil registra deslizamentos de terra em Guaramirim

Um escorregamento de terra ocorreu no morro da Polícia Militar, alagamentos em diversos pontos do interior e centro da cidade pela quantidade de água, entre outros episódios.
Defesa Civil registra deslizamentos de terra em Guaramirim
Saúde

Estado chega a 238 mil doses aplicadas contra a Covid-19

Os dados foram divulgados nesta segunda,1º de março, no Balanço Parcial de Vacinação da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina
 Estado chega a 238 mil doses aplicadas contra a Covid-19
Ver mais de Geral