Dia internacional das Mulheres
GERAL

Pais de alunos do Colégio Santa Cruz temem mudanças após renúncia de Conselho

27 Fev 2019 - 08h29Por Isabela Palhares

O Colégio Santa Cruz, no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista, teve nesta terça-feira, 26, renúncia coletiva de seu Conselho de Administração. Em carta, os conselheiros explicam que a decisão ocorre após a Congregação de Santa Cruz, mantenedora do colégio, aumentar sua ingerência na escola. A mudança preocupa os pais de alunos, que já temem uma descaracterização do projeto pedagógico.

Um dos mais tradicionais colégios da elite paulistana, o Santa Cruz é frequentado por filhos de empresários e banqueiros. Tem entre seus ex-alunos o presidente do Banco Itaú, Candido Botelho Bracher, que era um dos integrantes do conselho da instituição.

Com 67 anos, o colégio há mais de 20 anos era gerido pelo Conselho de Administração, que tinha autonomia para nomear diretores e administrar o orçamento. Na última reunião, porém, a mantenedora informou que transformaria o conselho em órgão apenas consultivo, o que resultou na renúncia.

Desde 2010, quando irmãos religiosos americanos assumiram a liderança da congregação, no lugar de padres canadenses que fundaram o colégio, havia receio de que a escola pudesse perder o caráter leigo. Embora façam parte da mesma entidade, os americanos são considerados mais conservadores. Os canadenses são vistos como mais progressistas e engajados com problemas sociais.

A carta de renúncia coletiva explica que, em 2016, os irmãos implementaram uma administração centralizada para as três escolas da congregação no Brasil - incluindo o Colégio Dom Amando, em Santarém, no Pará, e o Notre Dame, em Campinas (SP), fundados pelos americanos. A escola de Campinas tem perfil socioeconômico semelhante ao do Santa Cruz, mas nunca teve direção leiga completa (os diretores são escolhidos pela congregação).

A centralização da administração passa a ser agora em Campinas. Assim, o Conselho de Administração do Santa Cruz terá de responder aos executivos no interior do Estado ou ao Conselho de Congregação, composto unicamente por religiosos, segundo informa a carta. "Tendo representado os ideais dos padres fundadores junto à comunidade, alguns de nós há mais de 20 anos, julgamos necessário tornar pública esta carta, como uma forma de prestação de contas e formalização da nossa renúncia", diz o texto, que tem como signatários, além de Bracher, o cientista Fernando Reinach, presidente do colegiado, o administrador Ricardo Belotti e o engenheiro Lair Krahenbuhlr - ex-alunos, com exceção do último.

Direção e pais

Em circular enviada às famílias de alunos, a direção do colégio agradece aos integrantes que deixaram o colegiado "por diferenças de pontos de vista em relação à natureza do conselho". Afirma ainda que, em breve, serão anunciados os novos membros, que se juntarão aos atuais conselheiros: padre José de Almeida Prado, padre Roberto Grandmaison, irmão Ronnie Lenno Farias Silva, Flavia Cristina Piovesan e Denise Aguiar Alvares.

Em nota, a direção do colégio diz que a alteração não trará nenhuma mudança nos princípios pedagógicos ou curriculares. Também informou que o Santa Cruz é uma "escola católica pluralista aberta a todas as opções religiosas" e seguirá oferecendo "ensino humanista para formar cidadãos críticos e atuantes". "As mudanças no Conselho Administrativo devem trazer renovação e importantes colaborações para a gestão da escola", afirma.

Mas um grupo de pais já enviou uma carta aos ex-conselheiros e à direção do colégio em que diz ter recebido a notícia da renúncia com "surpresa e preocupação". Eles temem que o projeto pedagógico da escola possa ser descaracterizado, por exemplo com o aumento da carga horária de disciplinas voltadas ao ensino religioso.

Apesar de católico, o Santa Cruz passou na década de 1990 por um processo de laicização, quando deixou de ter diretores ligados à Igreja. Atualmente, os alunos têm aulas sobre História das Religiões e têm a opção de fazer catequese no colégio. A preocupação dos pais seria com a volta de um caráter mais religioso, o que pode afastar famílias não católicas. Estima-se que cerca de 15% dos alunos sejam judeus. A reportagem tentou contato com a Congregação por telefone e e-mail, mas ninguém foi localizado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Sine em Guaramirim tem novo horário de atendimento ao público

O posto do Sine de Guaramirim fica na Rua Irineu Vilela Veiga,  nº 135, no Centro
Geral

Rock in Rio é adiado para setembro de 2022

Medida foi tomada em razão da pandemia
Rock in Rio é adiado para setembro de 2022
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Geral

Brasil passa a fazer parte do Protocolo de Nagoia sobre biodiversidade

Documento regulamenta repartição de recursos genéticos
Brasil passa a fazer parte do Protocolo de Nagoia sobre biodiversidade
Ver mais de Geral