Coronavírus

Opas: Américas têm 3,3 milhões de contaminados pelo novo coronavírus

Quase metade de todos os casos de covid-19 no mundo estão na região

09 Jun 2020 - 16h58Por Da Redação
Opas: Américas têm 3,3 milhões de contaminados pelo novo coronavírus - Crédito: REUTERS Crédito: REUTERS

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) alerta que o novo coronavírus continua a se disseminar muito fortemente no Brasil, no Peru e no Chile. O organismo alerta para a chegada do inverno na América do Sul e para o aumento de infecções respiratórias, que podem dificultar o diagnóstico de covid-19. 

Segundo a organização internacional, quase metade de todos os casos de covid-19 no mundo estão em países das Américas, que somam 3,3 milhões de infectados.

"Na América do Sul, a resposta à pandemia será dificultada pela chegada do inverno, enquanto a temporada de furacões complicará nossos trabalhos na América Central, América do Norte e Caribe. Não temos dados de que a temperatura ou a umidade repercutem na propagação da doença, mas sabemos que o inverno exacerba as infecções respiratórias, assim como a gripe e pneumonia, que podem propagar-se rapidamente em climas mais frios e ambientes fechados", afirmou a diretora da Opas, Carissa Etienne, em entrevista à imprensa nesta terça-feira (9).

A diretora ressalta que a situação trará um maior desafio para os sistemas de saúde, já sobrecarregados com os casos de covid-19, em função do pico de outras doenças respiratórias. Além disso, Carissa Etienne alerta que as semelhanças entre os sintomas da covid-19 com os de outras infecções respiratórias pode dificultar o diagnóstico de contaminação pelo novo coronavírus.

"A vacinação preventiva para a gripe é mais importante do que nunca, em especial para grupos de alto risco como trabalhadores da saúde, pessoas idosas e com infecções crônicas", defendeu Etienne.

Cooperação

Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis da Opas, afirmou que o Brasil tem uma longa tradição de cooperação com a OMS e com a Opas e que o trabalho em conjunto seguirá sendo feito. "O Brasil tem uma grande tradição de solidariedade e de pan-americanismo, além de fazer fronteira com dez países. A organização está disposta a continuar apoiando o Brasil. Não vamos permitir que vacinas ou novos medicamentos não cheguem, porque estamos dispostos a facilitar essa chegada. A Opas esteve trabalhando nesse momento com a prioridade, a covid-19, facilitando a ajuda para a compra de dez milhões de testes para o Brasil. Capacitamos pessoal de saúde de Manaus e outras áreas, realizamos reuniões virtuais de educação e webinários. O Brasil tem o SUS (Sistema Único de Saúde), que é único, é uma joia, muito baseado na atenção primária".

Espinal falou ainda sobre as desigualdades na América Latina, que dificultam o combate à covid-19. "É uma das regiões com maior desigualdade no mundo e também uma das mais urbanizadas. Temos cidades com Rio de Janeiro, São Paulo e Lima, que estão rodeadas por cinturões de pobreza e desigualdade. Então, o confinamento que se aplicou na Europa, em certa medida, não se pode aplicar por completo na América Latina e no Caribe. Temos países com uma grande economia informal, onde é muito difícil implantar um confinamento total".

A Opas recomenda aos países que, se vão reabrir suas economias, devem realizar uma análise adequada, colocar sobre a mesa o estado financeiro, a situação das pessoas e fazer a abertura por etapas. "Vamos ter a covid-19 durante certo tempo e o mês de junho é um mês crítico. É esperado que América Latina sofra um grande impacto devido às características da região", afirmou Espinal.

Para a Opas, é urgente que os países deixem de lado as diferenças políticas e ideológicas para que possam chegar a um acordo que permita preservar vidas.

Dados

Em relação às mudanças feitas na plataforma de consolidação de dados da covid-19 pelo Ministério da Saúde do Brasil, Espinal afirmou que os países podem revisar seus dados, que é uma prerrogativa de cada país, mas sugeriu que os dados sigam sendo reportados.

"Não é errado revisar os dados, porque chegam novas informações. Agora, devo esclarecer que o Brasil tem uma longa história de reportar os dados e tem um amplo sistema de vigilância que engloba muitas variáveis, tem muita informação. A revisão dos dados não é uma surpresa, mas o que nós recomendamos é que se siga informando os dados a todos os países porque isso nos permite, e permite aos próprios governos, ter uma clara visão do que está acontecendo. E permite aos formuladores de políticas planificar e priorizar os lugares mais afetados pela pandemia. Estimulamos os países a que continuem reportando os dados", pontuou.

Fonte: Agência Brasil


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região?CLIQUE AQUIe receba diretono seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Política

Jaraguá terá manifesto em favor do voto impresso

O movimento é organizado através das redes sociais, usando a hastag "Dia01VaiSerGigante"
Jaraguá terá manifesto em favor do voto impresso
Saúde

Covid-19: Central de Orientação já monitorou mais de 250 mil pessoas

O serviço foi criado especialmente para atender a demanda causada pela pandemia do novo coronavírus
Covid-19: Central de Orientação já monitorou mais de 250 mil pessoas
Geral

Corpo da senhora Alminda Franzner será velado no bairro São Luís

Ela faleceu na madrugada desta quinta-feira (29) aos 87 anos
Corpo da senhora Alminda Franzner será velado no bairro São Luís
Geral

Guaramirim inicia entrega dos cartões SC Mais Renda do Governo do Estado

Entrega simbólica aconteceu na presença do prefeito Luis Antonio Chiodini e do secretário de Estado Claudinei Marques
Guaramirim inicia entrega dos cartões SC Mais Renda do Governo do Estado
Ver mais de Geral