Mês do Trânsito - Rádio
Geral

O inquérito da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, indica que o presidente licenciado da Delta Construções, Fernando Caven

29 Abr 2012 - 12h27

O Ministério das Relações Exteriores disse neste sábado que aguarda resposta do governo boliviano quanto a denúncias de maus-tratos, invasão de casas, mortes de gados e expulsões ocorridas contra brasileiros por militares da Bolívia na fronteira com o Brasil.


Segundo a Agência Brasil, os abusos e violações teriam ocorrido na última quarta-feira.

Um dia depois, o Brasil enviou representantes do governo federal, da Polícia Federal e do governo do Acre até a cidade de Capixaba, a 77 quilômetros ao sul de Rio Branco.
Na sexta-feira, o encarregado de negócios da Embaixada do Brasil em La Paz, Eduardo Sabóia, foi recebido na Chancelaria boliviana, e o secretário-geral das Relações Exteriores, Ruy Nogueira, conversou com o vice-ministro de Relações Exteriores boliviano.

Em meio à crise, o Itamaraty disse que aguardará um pronunciamento oficial do governo de Evo Morales.

O governo do Acre manifesta preocupação recorrente com a segurança aos brasileiros na fronteira com a Bolívia.

De acordo com a Agência Brasil o problema é antigo e foi detectado há cerca de quarto anos.

Uma das origens da crise é uma lei da Bolívia que estabelece que estrangeiros não podem ser proprietários de terras em uma faixa de 50 km da fronteira.

Para tentar sanar o problema, um acordo entre os dois países foi fimado para colocar em prática de forma pacífica a retirada de brasileiros do território.

VIOLÊNCIA

Ainda no final de março o governo de Evo Morales decidiu enviar mais de 3,2 mil militares às ruas de diversas cidades do país em uma tentativa de conter o aumento da violência.


A medida foi tomada após moradores da cidade andina de El Alto protestaram contra a insegurança.

A motivação do protesto foi o assasssinato de dois jornalistas, estrangulados em um ônibus quando se dirigiam ao trabalho.

Na época, o presidente boliviano reconheceu que a polícia não é suficiente para combater o crescente número de crimes nas ruas.

Segundo o correspondente da BBC na Bolívia, Mattia Cabitza, em El Alto e na principal cidade boliviana, La Paz, as patrulhas policiais são escassas.

Além disso, os policiais costumam ser mal pagos e frequentemente são envolvidos em acusações de corrupção.

A situação de segurança nessas cidades será reavaliada após 90 dias.

Críticos da medida, no entanto, afirmam que colocar militares não ruas não irá resolver o aumento da violência, que deveria ser enfrentado com medidas para reduzir a pobreza e o desemprego no país.

FOLHA.COM.BR

Matérias Relacionadas

Geral

Acidente aéreo na Ucrânia deixa pelo menos 26 mortos

Avião de transporte militar caiu durante voo de treinamento
Acidente aéreo na Ucrânia deixa pelo menos 26 mortos
Geral

Nasa anuncia programa para levar primeira mulher à Lua em 2024

Antes disso, agência lançará dois testes de voo ao redor do satélite
Nasa anuncia programa para levar primeira mulher à Lua em 2024
Saúde

Doações de órgãos caíram 40% com pandemia

Ministério da Saúde lançou hoje campanha para aumentar doações
Doações de órgãos caíram 40% com pandemia
Jaraguá do Sul

Jaraguá do Sul registra 38ª morte em decorrência do coronavírus

Nas últimas 24 horas foram 23 novos casos e 17 pessoas recuperadas
Jaraguá do Sul registra 38ª morte em decorrência do coronavírus
Ver mais de Geral