GERAL

Nomeação de coronel para conselho de educação causa desconfiança

01 Mar 2019 - 13h45Por Renata Cafardo

Causou desconfiança a nomeação do coronel Paulo Roberto Costa e Silva para a secretaria executiva do Conselho Nacional de Educação (CNE). O órgão é ligado ao Ministério da Educação (MEC), mas os conselheiros atuais foram indicados pelos governos anteriores e só podem ser mudados com o término do mandato.

Entre eles estão Maria Helena Guimarães de Castro, secretária executiva do MEC na gestão de Michel Temer e de Fernando Henrique Cardoso, e Francisco Soares, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) durante o governo de Dilma Rousseff. Ambos estão entre mais os conceituados especialistas em Educação do País.

O CNE elabora pareceres e resoluções sobre temas como diretrizes curriculares e critérios de avaliação. O projeto da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que determina os objetivos de aprendizagem, por exemplo, foi discutido e teve de ser aprovado no conselho antes de o MEC colocá-lo em prática. Decisões do CNE precisam ser homologadas pelo ministro da Educação.

A reportagem apurou que o atual ministro Ricardo Vélez Rodríguez pensou em extinguir o CNE ou trocar conselheiros. Na semana passada, nomeou Costa e Silva para o cargo.

Perfil

Militar especialista em inteligência estratégica, Costa e Silva foi Ajudante de Ordens do Gabinete Militar da Presidência da República, entre 1985 e 1988. Trabalhou ainda como Instrutor da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, da Academia Militar das Agulhas Negras e da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, de onde Vélez é professor emérito.

Recentemente, o ministro afirmou que os militares, durante a ditadura militar, foram chamados para "corrigir, como uma espécie de poder moderador, os rumos enviesados que tinha enveredado a República".

Segundo a assessoria do CNE, o cargo de secretário executivo tem funções apenas burocráticas e de gestão. O secretário executivo fica abaixo do presidente do CNE, atualmente Luiz Roberto Liza Curi, que não teria sido consultado.

Costa e Silva terá acesso a reuniões dos conselheiros, que são gravadas. Entre eles, há quem manifeste preocupação com eventuais opiniões críticas sobre o MEC e sobre o ministro nesses encontros. A secretária executiva anterior, Andréa Malagutti, é servidora de carreira do MEC e continua na pasta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Promotor de Justiça verifica situação dos cabos soltos nas ruas em Jaraguá

Marcelo Cota e o secretário de Planejamento, Eduardo Bertoldi, identificaram situações de fiação irregular em Jaraguá do Sul
Promotor de Justiça verifica situação dos cabos soltos nas ruas em Jaraguá
Geral

Entra em vigor lei do teste de paternidade em parentes de suposto pai

O teste em parentes consanguíneos poderá ser autorizado por um juiz
Geral

Obras da rotatória da Bertha Weege começam na segunda-feira

Obras da rotatória da Bertha Weege começam na segunda-feira
Política

Caropreso pede que governo priorize solução para infestação de maruim

Deputado repercutiu assuntos tratados com secretário de Agricultura no norte catarinense e necessidade de reforço nas barreiras fitossanitárias
Caropreso pede que governo priorize solução para infestação de maruim
Ver mais de Geral