Delivery Much
GERAL

Decreto pode trazer flexibilização de importação de armas, diz Eduardo Bolsonaro

06 Mai 2019 - 18h00Por Mateus Fagundes

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse nesta segunda-feira, 6, que o decreto que beneficia caçadores, atiradores e colecionadores de armas, os chamados CACs, pode trazer também a flexibilização das regras de importação de armas e quebra de monopólio.

"Se não vier neste decreto, vem no próximo. Na minha opinião, é uma matéria prioritária e emergencial", afirmou, após participar da abertura da 35.ª Apas Show, em São Paulo.

O decreto será assinado na terça-feira, 7, pelo presidente Jair Bolsonaro. O deputado disse que não sabe os detalhes da medida.

Eduardo reconheceu que há resistências no governo à liberalização das importações. "Existe um entrave muito grande (à importação e quebra de monopólio) no Ministério da Defesa, a gente tem de destravar isso aí, e é uma bandeira do governo Bolsonaro", disse.

Crítico do monopólio da Taurus no País, Eduardo afirmou que é preciso melhorar a qualidade do armamento vendido. "Não adianta mais você botar uma arma no coldre do policial sem que tenha a garantia que ela vai disparar no momento certo. E muitas vezes até dispara de maneira errada, acidental", disse.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Incêndio na boate Kiss completa oito anos sem julgamento dos réus

Tragédia resultou na morte de 242 pessoas e deixou 680 feridos
Geral

Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor

Na prática, os estabelecimentos que recebem leite ou processam leite cru refrigerado terão que rastrear toda a matéria-prima e solicitar os exames de brucelose e tuberculose dos bovinos de seus fornecedores
Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor
Geral

IPVA 2021: prazo para pagamento em cota única termina no dia 1º de fevereiro

O prazo para pagamento em três vezes sem juros terminou no último dia 10
Geral

Cobras corais da região seguem para produção de soro antiofídico no Butantan

As cobras corais são consideradas as serpentes mais venenosas do Brasil; toxina potente afeta o sistema nervoso e o controle muscular
Cobras corais da região seguem para produção de soro antiofídico no Butantan
Ver mais de Geral