GERAL

COP define o 'livro de regras' do acordo de Paris

16 Dez 2018 - 08h28Por Giovana Girardi

A 24ª Conferência do Clima (COP) da ONU, realizada ao longo das duas últimas semanas em Katowice, na Polônia, terminou na noite de ontem entregando o que prometeu - o chamado "livro de regras" sobre como vai funcionar o Acordo de Paris, que estabeleceu em 2015 esforços de 195 países para tentar conter o aquecimento global a 1,5°C até o final do século.

Foram definidas, por exemplo, as diretrizes sobre como as nações deverão reportar de modo transparente suas emissões de gases de efeito estufa e seus esforços para reduzi-las. Mas pouco se avançou em termos de aumentar a ambição dos países para diminuir ainda mais suas emissões nos próximos anos.

Os negociadores trabalharam sob o alerta quase gritante do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), encomendado pela própria conferência, que mostrou no início de outubro que, se o ritmo de emissões continuar, por volta de 2040 o planeta poderá já ter atingido o 1,5°C de aquecimento. Até o final do século, se forem adotadas somente as metas já estabelecidas, a temperatura pode subir até 3°C.

O grupo internacional de cientistas mostrou também que um mundo 2°C mais quente é muito pior que 1,5°C, então seria bom tentar conter o aquecimento nesse limiar. Por enquanto, porém, os alertas não surtiram efeito.

Brasil e Chile

Do ponto de vista de expectativas nacionais, o destaque dessa reunião foram os questionamentos sobre para onde o Brasil deve seguir em relação aos seus esforços contra as mudanças climáticas. O País, que ajudou a costurar o Acordo de Paris e é o berço da Convenção do Clima da ONU, criada na Rio-92, chegou à Polônia com a má notícia de que tinha desistido de sediar, no ano que vem, a COP 25, após pedido do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Também levava a ameaça de que o novo governo poderá abandonar o acordo.

Se oficialmente a questão não foi parar na mesa de negociação, diplomatas, delegados e outros membros da sociedade civil do Brasil foram questionados constantemente nos cafés, nos cantos das salas e nas reuniões bilaterais sobre o que vai acontecer.

Na sexta-feira, 14, foi definido que o Chile vai abrigar a reunião da qual o Brasil abriu mão. Também concorreram Costa Rica, Guatemala e Honduras. No Twitter, Bolsonaro voltou a afirmar sua posição, dizendo que a conferência custaria R$ 500 milhões ao Brasil. Ele disse que o evento poderia "constranger o futuro governo a adotar posições que requerem um tempo maior de análise e estudo". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Geral

Consórcio deve administrar castração de animais, informa vereador

Com o consórcio, todos os municípios da região do Vale do Itapocu vão poder participar.
Geral

Conselho de Cultura inicia conversas sobre o Plano Municipal de Cultura em Guaramirim

Conselho de Cultura inicia conversas sobre o Plano Municipal de Cultura em Guaramirim
Geral

Instituto Padre Aloísio recebe reconhecimento de utilidade pública

O Instituto fica na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, no bairro Nereu Ramos, e está inserido na rota do turismo religioso catarinense, que, afirma Gadotti, está em crescimento
Instituto Padre Aloísio recebe reconhecimento de utilidade pública
Política

Reunião marca início de implantação do Sistema Legislativo Digital em Jaraguá

O Sistema vai permitir que todo o processo de tramitação dos projetos de lei e de outras matérias na Câmara seja realizado de forma 100% digital.
Reunião marca início de implantação do Sistema Legislativo Digital em Jaraguá
Ver mais de Geral