Beisebol

Equipes venezuelanas de beisebol deixam de dar bolas aos fãs devido à crise

14 Dez 2016 - 14h01
A Liga Venezuelana de Beisebol Profissional (LVBP) não conseguiu escapar da crise econômica que afeta o país e pediu aos oito clubes que disputam o torneio para não presentear o público que comparece às partidas com "bolas em excesso".

O pedido se baseia em um temor compreensível: as bolas são importadas. Com pouca moeda estrangeira no país para fazer um novo pedido, presentear em excesso poderia comprometer as partidas dos playoffs da temporada.

Segundo dados apresentados pelo presidente do Aguilas del Zulia, Luis Rodolfo Machado, cerca de 50 bolas eram usadas em cada jogo. O número, porém, duplicou na atual temporada.

"Se continuarmos assim, não teremos bolas para a pós-temporada e menos ainda para a final. Se acabarem as bolas, acaba o campeonato", alertou.

O fato de a crise estar afetando o beisebol venezuelano não é um segredo. Em setembro, o presidente da LVBP, Oscar Prieto Párraga, disse à imprensa que os clubes esperavam a alocação de divisas com taxas preferenciais.

A Venezuela mantém desde 2003 um rigoroso controle sobre o câmbio. Empresas e cidadãos devem pedir ao governo para trocar bolívares por dólares ou por outras moedas que precisarem.

A operação, que é considerada embaraçosa desde a criação do sistema, ficou muito complicada com a queda dos preços do petróleo, fonte de 96% das receitas do país.

Conceder dólares para a LVBP não parece uma opção para o governo devido à situação da economia. Para a liga, buscá-los no mercado paralelo, onde a cotação supera em até 400 vezes a taxa oficial, encareceria muito as operações.

O dinheiro pedido pela LVBP em setembro, cerca de US$ 12 milhões, foi usado para comprar equipamentos esportivos, cancelar passagens aéreas e pagar salários de jogadores e árbitros estrangeiros. O valor, no entanto, não permite margem para imprevistos, como importar bolas novamente.

Dessa forma, as equipes acertaram, segundo Machado, presentear a bola usada apenas no encerramento de cada entrada, assim como a última do "out". Sem contar as que são perdidas em "home runs" que saem dos estádios ou em faltas.

No entanto, alguns jogadores já se manifestaram contra a medida. "Perderei meu salário com as multas. Uma criança fica muito mais emocionada quando ganha uma bola", disse Tomas Telis, receptor dos Caribes de Anzoátegui.

"Há tantas coisas para melhorar na liga e agora vão nos multar por presentear os torcedores com bolas. As levarei comigo e darei de presente fora do campo", disse José Martínez, do Tiburones de La Guaira.

Mas o presidente do Aguilas del Zulia pediu sensatez e lembrou que tudo em excesso tem desvantagem.

"Temos duas opções: regular o fato de presentear as bolas ou fechar as portas antes de tempo", resumiu.

Fonte: EFE, via UOL

Matérias Relacionadas

Geral

Senado aprova projeto de combate a notícias falsas

O texto segue para a Câmara dos Deputados.
Esportes

Atleta promove ultramaratona solidária no domingo em Jaraguá

Mauro Freitas é ultramaratonista, já participou de diversas competições em várias cidades do país.
Atleta promove ultramaratona solidária no domingo em Jaraguá
Geral

Em um ano, Hospital Santo Antônio de Guaramirim alcança mais de R$ 1 milhão de economia real

Conforme o diretor do HSA, Valmor Busnello, desde que o Instituto Santé assumiu a gestão da entidade, foram investidos mais de R$ 135 mil em instrumentais cirúrgicos e equipamentos.
Em um ano, Hospital Santo Antônio de Guaramirim alcança mais de R$ 1 milhão de economia real
Geral

Regina Duarte deixa cargo na secretaria especial de Cultura

A saída dela foi informada pelo presidente Jair Bolsonaro, em publicação nas redes sociais.
Regina Duarte deixa cargo na secretaria especial de Cultura
Ver mais de Geral