ESPORTE

Tite minimiza críticas após empate e pede seleção 'mais agressiva' na terça

25 Mar 2019 - 17h14

O técnico Tite mostrou não ter se incomodado com as críticas feitas à seleção brasileira pelo empate por 1 a 1 diante do Panamá, sábado, em Portugal. O treinador admitiu que a equipe ficou devendo em seu desempenho e prometeu mudanças para o duelo desta terça diante da República Checa, em Praga.

"Todas as críticas que têm caráter técnico, tático, físico e emocional eu não tenho que contrapor. São pontos de vista, visões, e a gente tem que saber conviver com isso. Os atletas não jogam pelo técnico, jogam pela seleção, pelo Brasil. Quando tira o viés daquilo que é importante, acho arriscado. Ele joga por orgulho pela seleção, prazer da satisfação profissional", apontou nesta segunda.

Contra o Panamá, a seleção brasileira sofreu para criar jogadas e dependeu de um cruzamento de Casemiro, que Lucas Paquetá completou com estilo, para marcar seu único gol. Por isso, a principal mudança que Tite quer observar na equipe é uma "agressividade maior".

"Quero agressividade maior, a busca maior. Talvez menos de organização, mas buscamos esse ímpeto. Em termos de organização, o mecanismo do meio de campo se ajusta. Também por uma opção nossa, evitamos convocações de atletas em momentos decisivos. Então, é um processo de construção", apontou.

Tite indicou que escalará a seleção com seis mudanças, sendo que nenhuma delas acontecerá no setor ofensivo. Entrarão na equipe Alisson, Danilo, Marquinhos, Thiago Silva, Alex Sandro e Allan, enquanto Casemiro, Paquetá, Philippe Coutinho, Richarlison e Roberto Firmino serão mantidos.

"O processo ofensivo de criação que colocamos é mais difícil de acontecer, precisa de improviso. Esse é o momento de dar oportunidade, de repetir Coutinho e Paquetá, de repetir Firmino e Richarlison, para manter uma certa coerência na estrutura da equipe", explicou.

O treinador ainda manifestou seu apoio a Coutinho, que vive má fase e é questionado tanto no Barcelona quanto na seleção. "Corro todos os riscos, inclusive esse (escalar Coutinho). Esses riscos, essa pressão, são inevitáveis no cargo. O que tem de ter é coerência. E coerência nesse caso é dar trabalho a ele, repetir a formação e dar tempo. Futebol é fundamentalmente na prática, no exercício, repetição."

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Esportes

Sport Club Jaraguá completa 13 anos de fundação

Com um trabalho focado nas categorias de base, Jaraguá faz parte da Série C do Campeonato Catarinense
Sport Club Jaraguá completa 13 anos de fundação
Esportes

Juventus empata com Metropolitano e garante vaga nas quartas de final do Catarinense

Com 15 pontos, o Moleque Travesso segue em quarto lugar na tabela.
Juventus empata com Metropolitano e garante vaga nas quartas de final do Catarinense
Esportes

Catarinense: Chape garante ponta; Criciúma e Figueirense sob risco

Tigre e Alvinegro, tradicionais no estado, lutam contra rebaixamento
Catarinense: Chape garante ponta; Criciúma e Figueirense sob risco
Esportes

Grêmio ganha o primeiro jogo sem Renato e reassume ponta do Gaúcho

Vitória garantiu presença do Tricolor nas semifinais do Estadual
Grêmio ganha o primeiro jogo sem Renato e reassume ponta do Gaúcho
Ver mais de Esportes