transito
Educação

Implementar Plano Nacional de Educação é prioridade para 2019, afirmam deputados

De acordo com parlamentares da Comissão de Educação, a falta de recursos tem inviabilizado a execução das diretrizes

12 Jan 2019 - 15h27Por Cintia Moreira / Agência do Rádio

O Plano Nacional de Educação, aprovado pelo Congresso Nacional em 2014 e com vigência de 10 anos, é umas prioridades para 2019, segundo deputados que atuam na área.

Mesmo sem ter sido implementado em todo o país, o PNE já conseguiu, por exemplo, que aproximadamente 92% das crianças entre quatro e cinco anos tenham acesso à educação infantil, segundo dados do INEP. A meta era universalizar esse acesso até 2016, mas a estimativa é que isso só aconteça em 2024.

Outras metas, no entanto, estão bem distantes de serem cumpridas. No que se refere à formação de jovens e adultos integrada à educação profissional, o índice está bem abaixo do previsto até 2024. O intuito é oferecer, no mínimo, 25% das matrículas de educação de jovens e adultos, nos ensinos fundamental e médio, com cursos profissionalizantes. Em 2015, o percentual era de 3%, mas caiu pela metade em 2017.

O deputado Aliel Machado, integrante da Comissão de Educação da Câmara Federal há quatro anos, afirma que com a execução do Plano Nacional de Educação resolveria, em parte, os problemas educacionais do Brasil. A principal dificuldade, segundo ele, esbarra na crise econômica, o que resulta na retirada de recursos.

“O grande problema que nós temos hoje no Brasil é a falta de investimento na Educação, a desburocratização. E a gente viu que, com essa crise econômica que se estabeleceu no país, com essa crise política aguda que nós tivemos, o Plano Nacional de Educação não está em seu amplo desenvolvimento como prevê a própria lei do Plano. Nós vamos fazer todos os esforços na Comissão de Educação para que a gente cobre do governo, para que a gente una a força das instituições, das autoridades na área, para que a gente consiga levar isso e colocar em prática.”

O deputado Luciano Ducci, que foi relator da parte de educação e cultura no Orçamento de 2019, dá mais detalhes sobre os investimentos destinados à Educação.

“A gente conseguiu fazer uma grande mobilização dentro do orçamento e conseguimos colocar, além do orçamento, R$ 1 bilhão a mais somente de remanejamento para a área de investimento da Educação. Assim, colocamos mais de R$ 250 milhões para o Ensino Fundamental, R$ 150 milhões para os institutos federais, mais de R$ 200 milhões para as universidades, enfim, conseguimos fazer com que houvesse mais investimento.”

Para este ano, o objetivo é que a implementação do Plano Nacional de Educação continue sendo discutida. Números recentes mostram que o Brasil ainda tem baixos índices de aprendizagem e quase três milhões de crianças e jovens fora da escola.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Matérias Relacionadas

Jaraguá do Sul

Taxa de analfabetismo de Jaraguá do Sul está entre as menores de SC

Segundo o IBGE, apenas 2.100 dos 182 mil jaraguaenses não sabem ler e escrever
Taxa de analfabetismo de Jaraguá do Sul está entre as menores de SC
Geral

Dezoito escolas públicas de Porto Alegre retomam aulas nesta segunda

Até quarta-feira, 36 instituições da rede municipal vão reabrir
Dezoito escolas públicas de Porto Alegre retomam aulas nesta segunda
Educação

Sábado tem Dia da Família na Escola em Jaraguá do Sul

Na primeira edição de 2024 escolas estarão arrecadando doações para o Rio Grande do Sul
Sábado tem Dia da Família na Escola em Jaraguá do Sul
Política

Em Brasília, Caropreso discute canabidiol e segunda língua estrangeira nas escolas

O parlamentar realizou reuniões com senadores e parlamentares para tratar de projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que tratam do uso medicinal da cannabis e do ensino de segundo idioma estrangeiro nas escolas
Em Brasília, Caropreso discute canabidiol e segunda língua estrangeira nas escolas
Ver mais de Educação