ECONOMIA

TJ-SP mantém direito de protocolo no mercado imobiliário

27 Mar 2019 - 16h39Por Circe Bonatelli

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) decidiu manter o direito de protocolo no mercado imobiliário da capital paulista. O julgamento teve 17 votos favoráveis e 8 contrários, e foi concluído nesta quarta-feira, 27. A decisão é benéfica aos empresários do setor da construção.

A Corte avaliou o mérito da ação direta de inconstitucionalidade movida pelo Ministério Público que questionava a validade do direito de protocolo. O presidente do TJ-SP, desembargador Pereira Calças, teve posição favorável à manutenção da prática e foi seguido pela maioria. Já o relator do caso, o desembargador Evaristo dos Santos, votou contra, mas acabou sendo voto vencido. O julgamento começou semana passada, mas foi suspenso após pedido de vistas e retomado nesta quarta.

O direito de protocolo garante que os empreendimentos imobiliários encaminhados para licenciamento na Prefeitura de São Paulo sejam analisados e deferidos conforme a legislação vigente na época em que são protocolados, mesmo se houver mudanças na legislação nos períodos seguintes.

Como a montagem dos estandes leva meses ou anos após a liberação das licenças, o direito de protocolo assegura às empresas que seus projetos não precisarão ser revistos com mudanças na lei, sob o risco de perderem viabilidade econômica, por exemplo, devido a eventuais restrições ao número de andares, tamanho da área construída, tipo de uso (residencial ou comercial), entre outros fatores.

Já a crítica do Ministério Público é que a liberação das licenças deve respeitar a nova lei de zoneamento que entrou em vigor em 2016 na capital paulista e impôs limites à construção em determinadas áreas da cidade, especialmente nos trechos que passaram a ser classificados como zonas de proteção ambiental. Nesse sentido, o direito de protocolo não poderia garantir uma construção que represente retrocesso ambiental, conforme argumento do Ministério Público.

O tema já causou muita polêmica em 2018, quando o Ministério Público obteve uma liminar que bloqueou, durante a maior parte do primeiro semestre, o lançamento de dezenas de empreendimentos baseados no direito de protocolo. Isso retardou a recuperação dos negócios após anos de crise, enfurecendo donos de incorporadoras.

A situação foi revertida em maio do ano passado, quando o TJ-SP derrubou a liminar. Nesta quarta, a corte fez o julgamento do mérito, encerrando a discussão.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Sala do Empreendedor de Guaramirim será aberta nesta semana

O local é um espaço para orientações e informações voltadas aos empreendedores, além de servir como ponto de encontro para fechamento de negócios
Sala do Empreendedor de Guaramirim será aberta nesta semana
Economia

Guaramirim inicia atendimento presencial para emissão do IPTU

O atendimento presencial visa contemplar as pessoas que não tem acesso à internet e ainda não emitiram as guias de pagamento
Guaramirim inicia atendimento presencial para emissão do IPTU
Saúde

Decreto estadual mantém medidas contra a Covid-19 por mais duas semanas

Todas as atividades deverão observar os protocolos e regramentos sanitários específicos estabelecidos pela Secretaria de Estado da Saúde
 Decreto estadual mantém medidas contra a Covid-19 por mais duas semanas
Geral

Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem

Dados de uma pesquisa referente ao ano de 2020, revelaram que 91% da população entrevistada em nosso município pratica a reciclagem em suas residências.
Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem
Ver mais de Economia