ECONOMIA

Subsídio ao agronegócio cobrado na conta de luz é irregular, avalia TCU

24 Fev 2019 - 10h04Por Anne Warth

Na semana passada, o agronegócio comemorou uma vitória. O governo de Jair Bolsonaro decidiu voltar com o subsídio que o setor recebe nas contas de luz, derrubado no fim do ano passado pelo ex-presidente Michel Temer. Uma avaliação feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU), porém, dá razão a Temer: para a área técnica do órgão, esses subsídios estão "completamente desalinhados" com as leis que regulam o setor e até com a própria Constituição. Em outras palavras, são ilegais.

Os subsídios - não só para o agronegócio - estão embutidos na conta de luz de todos os brasileiros. No total, chegam a mais de R$ 20 bilhões, sendo 17% desse total só para os agricultores. Pelo decreto editado no fim de 2018, o benefício aos produtores rurais começaria a ser reduzido este ano, ao ritmo de 20% ao ano, até ser zerado em cinco anos.

Menos de um mês depois da publicação do decreto, porém, a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e deputados da bancada ruralista começaram a pressionar o governo a recriar o benefício. O deputado Heitor Schuch (PSB-RS) apresentou projeto de decreto legislativo para suspender os efeitos do decreto de Temer, e a proposta chegou a constar da pauta de votações do Plenário da Câmara. Mas nem foi preciso. Na semana passada, o líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), disse que o governo revogaria o decreto.

Para o TCU, porém, isso não deveria ocorrer. O ministro Aroldo Cedraz, relator do caso no órgão, acolheu um parecer da área técnica do órgão apontando falhas e vícios na gestão da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), taxa cobrada na conta de luz dos consumidores de todo o País.

A avaliação é de que não apenas o subsídio para a atividade rural nada tem a ver com a política energética do País, mas também os concedidos para irrigação, aquicultura e empresas que prestam serviços de água, esgoto e saneamento. O entendimento é que esses benefícios só podem ser financiados com recursos públicos do Orçamento Geral da União - ou seja, por meio de tributos e impostos.

Voto

A cobrança de taxas na conta de luz para manter esses benefícios é "ilegítima" e "extrapola os limites do nosso ordenamento jurídico", disse Cedraz, em seu voto. Para ele, o governo precisa dar "efetividade" à lei que estabeleceu uma política de redução estrutural dessa despesa. Após apresentação do voto, porém, o ministro Walton Alencar pediu vista do processo e alegou a necessidade de esclarecer dúvidas sobre o tema. A discussão agora terá de ser retomada.

Procurado, o MME informou que o assunto está em estudo pela pasta, em conjunto com os Ministérios da Economia, do Desenvolvimento Regional e da Agricultura, com a participação da Casa Civil da Presidência da República. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Calendário de restituições não muda com novo prazo do Imposto de Renda

Reembolso continuará a ser feito entre maio e setembro
Calendário de restituições não muda com novo prazo do Imposto de Renda
Economia

Cooper inicia distribuição do Retorno das Sobras

Os mais de R$ 13,5 milhões chegam em forma de crédito para cooperados em um momento importante para a retomada da economia
Cooper inicia distribuição do Retorno das Sobras
Economia

Receita adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda

Novo prazo se encerrará no dia 31 de maio
Receita adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda
Economia

Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina hoje

Pedidos devem ser feitos na página da Dataprev na internet
Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina hoje
Ver mais de Economia