GNet
ECONOMIA

STF decide sobre adicional de 25% a aposentados que precisam de cuidadores

28 Fev 2019 - 11h40Por Amanda Pupo

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) irá decidir sobre o pedido da União que busca suspender os efeitos da decisão que autorizou um adicional de 25% para aposentados que precisam de assistência permanente, tomada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em agosto do ano passado. O julgamento ainda não tem data marcada.

Relator do processo, o ministro Luiz Fux negou o pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), representante jurídico do governo federal, que buscava a suspensão dos efeitos e de todos os processos que envolvam a matéria. Desta decisão, proferida no último dia 15, a AGU recorreu. Fux, no entanto, preferiu não decidir sozinho sobre o pedido de reconsideração, e enviou o processo para a Primeira Turma, colegiado composto ainda pelos ministros Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio Mello, Rosa Weber e Alexandre de Moraes.

Segundo o governo, a decisão que estendeu o adicional de 25% para aposentados que precisam de cuidadores tem impacto potencial de R$ 7,5 bilhões por ano para os cofres públicos. A AGU argumenta que a suspensão de todos os processos que envolvam a matéria é necessária para dar segurança jurídica ao caso. Membros da AGU destacam ainda que aposentados estão conseguindo decisões favoráveis na Justiça que, no futuro, poderão ser revertidas, caso a Suprema Corte julgue de forma favorável ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Além do recurso contra a decisão de Fux, uma outra ação está a caminho do Supremo, envolvendo a controvérsia. É nela que, de fato, o STF poderá julgar se o adicional de 25% a aposentados que precisam de cuidadores é ou não constitucional. Este recurso ainda não está no Supremo porque o STJ precisava julgar a matéria antes. Agora que isso já ocorreu, a expectativa é que o tema chegue a Suprema Corte ainda neste semestre.

Foi por causa deste recurso que a AGU pediu ao STF que os processos sobre o tema sejam suspensos, ou seja, que eles não produzam efeito até que o Supremo se manifeste definitivamente sobre o caso.

A lei que trata do adicional, em vigor desde 1991, diz que apenas aposentados por invalidez teriam direito a essa parcela suplementar. Por isso, surpreendeu a AGU a decisão do STJ de estender este benefício. Diante do cenário deficitário - que faz a reforma da Previdência ser prioridade número um do governo federal - o quadro preocupa a área jurídica do governo. Segundo apurou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, com integrantes do órgão, a tese decidida pelo STJ tem atualmente o maior potencial de lesão aos cofres público.

GNet

Matérias Relacionadas

Economia

Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 35 milhões

Dezenas serão sorteadas nesta noite em São Paulo
Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 35 milhões
Geral

Empréstimos não autorizados lideram lista de reclamações

Procon de Jaraguá do Sul fechou levantamento de ocorrências referente ao 1º quadrimestre deste ano
Empréstimos não autorizados lideram lista de reclamações
Geral

Motoboys fazem manifestação contra cobrança do estacionamento rotativo em Jaraguá

Profissionais querem isenção na cobrança do estacionamento para motocicletas
Motoboys fazem manifestação contra cobrança do estacionamento rotativo em Jaraguá
Economia

Para conter inflação, governo zera imposto de importação de alimentos

Carnes, farinha de trigo e biscoitos estão entre os produtos afetados
Para conter inflação, governo zera imposto de importação de alimentos
Ver mais de Economia