ECONOMIA

Rede zera taxa para clientes, ações de rivais caem e Cade pede explicação

19 Abr 2019 - 09h00Por Lorenna Rodrigues, Aline Bronzati, Fabiana Holtz e Luciana Dyniewicz

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu processo ontem para investigar o Itaú e a credenciadora de cartões Rede, depois de esta anunciar que vai zerar a taxa de antecipação do cartão de crédito para lojistas que tiverem conta no banco. A isenção da taxa, que marca mais um capítulo na 'guerra das maquininhas' no mercado brasileiro, derrubou o preço das ações das concorrentes da Rede.

O procedimento preparatório de inquérito administrativo foi instaurado pela superintendência geral do Cade, que enviou um ofício ao Itaú pedindo explicações sobre a medida.

Segundo o Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou, a avaliação preliminar é que a medida vai contra a jurisprudência do Cade, que já multou bancos por discriminarem clientes de outras "maquininhas". A suspeita é que haja conduta anticompetitiva, já que o Itaú, dono da Rede, oferece condições melhores para clientes da sua própria credenciadora. Também será investigado se o banco está praticando preço predatório e subsídio cruzado.

A Rede havia anunciado que a antecipação do pagamento de vendas no crédito à vista será feita em dois dias, e não no prazo tradicional de um mês, sem nenhuma cobrança de taxa adicional. Para isso, no entanto, é necessário ter conta no Itaú Unibanco, o que poderá ser considerado abusivo pelo Cade.

As novas condições valerão a partir de 2 de maio e são uma ofensiva da instituição para atrair pequenas e médias empresas, além de autônomos e microempreendedores, com faturamento anual de até R$ 30 milhões. A isenção de taxas vale para atuais e novos clientes da Rede e contemplará usuários de qualquer modelo de maquininha da empresa.

Em 2018, o Cade firmou acordo com a Cielo e suas controladoras, Bradesco e Banco do Brasil, para encerrar processo que investigava condutas anticompetitivas adotadas pelas empresas. Pelo acordo, elas pagaram um total de R$ 33,8 milhões.

As instituições eram investigadas justamente por discriminar lojistas que usam "maquininhas" concorrentes da Cielo. Entre as práticas denunciadas estavam a não antecipação de crédito com base nos recebíveis para clientes de outras credenciadoras - o que, para muitos lojistas, é essencial para manutenção de suas atividades -, a cobrança de taxas maiores desses clientes e a venda casada de contratos da credenciadora e de serviços dos bancos, como a abertura de contas.

Mercado

Concorrentes da Rede tiveram ontem um dia de baixa nas bolsas, diante do risco de terem suas margens pressionadas. Na B3, a Cielo viu suas ações recuarem 7,3%, para R$ 8,25. Já os papéis ordinários (com direito à voto) da Linx caíram 12,36%, para R$ 31,20. Na Nasdaq, a Stone caiu 23,69%. Na Bolsa de Nova York, os papéis da PagSeguro caíram 9,74%.

"É, com certeza, uma notícia negativa para Cielo e outras empresas do setor, como a Linx, porque baixa novamente a régua de preço. Ou a empresa apresenta uma condição melhor ou perde 'market share'. Tendo a mesma condição técnica, o diferencial é o melhor custo. Por isso, os concorrentes são prejudicados", disse Glauco Legat, analista da Necton.

O analista Luis Miguel Santacreu, da Austin Rating, afirmou que a medida da Rede pode ter um forte impacto na Stone, que oferece uma taxa menor na antecipação. "A Stone não tem como zerar a taxa, porque não tem um banco por trás. Perderia muita receita", disse.

Em relatório, o Citi apontou que a decisão deve pesar nas receitas das adquirentes. Os analistas do Credit Suisse consideraram que a maior competição no mercado de adquirência poderia levar a um aumento considerável no custo de financiamento para a Linx.

Procurada, a Rede informou estar convicta de que a "medida beneficia milhões de clientes" e "posiciona o mercado brasileiro em um patamar mais próximo das práticas internacionais". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Economia

Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%

Parte desse aumento pode ser explicado pelos resultados positivos registrados na economia catarinense
Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%
Economia

Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio

Aumento da produção industrial reflete alto nível de consumo das famílias, acesso ao crédito e exportações; crescimento no mês foi de 5,8%
Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio
Saúde

Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá

Obra terá investimento de mais de R$ 14 milhões e ficará pronta em 18 meses
Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá
Economia

Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde

Especialistas reunidos na FIESC dizem que estado tem inteligência, tecnologia e capital humano para se destacar no Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde
Ver mais de Economia