105 Ouça
Caraguá
ECONOMIA

Qualquer economia menor que a proposta me deixaria preocupado, diz Arminio

20 Fev 2019 - 18h07Por Vinicius Neder

Embora destaque como positivo o fato de a economia prevista para os cofres públicos com a reforma da Previdência proposta pelo governo Jair Bolsonaro ter vindo acima do que vinha sendo "sinalizado", o ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga ressaltou que não há espaço para reduzir o impacto fiscal das mudanças.

Mais cedo, ao apresentar publicamente a proposta de emenda constitucional (PEC) entregue ao Congresso Nacional nesta quarta-feira, o Ministério da Economia informou que o impacto fiscal das mudanças nas regras produzirá uma economia aos cofres públicos de R$ 1,072 trilhão em dez anos. O valor sobe para R$ 1,164 trilhão no mesmo período quando se considera também o efeito de R$ 92,3 bilhões pelas mudanças para a aposentadoria dos militares, propostas em separado.

"Qualquer coisa que caia abaixo do que foi apresentado já me deixaria bem preocupado. Como eu acho que o necessário seria mais do que o que foi proposto, acho que ideal seria subir (a economia)", afirmou Fraga a jornalistas, após proferir uma aula magna no curso de relações internacionais do FGV Educação Executiva, na Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio.

O ex-presidente do BC evitou comentar detalhes da proposta e disse ser difícil calcular o risco de a PEC da reforma não ser aprovada por causa de problemas na articulação política do governo no Congresso. Para Fraga, embora a questão da viabilidade de aprovação da reforma seja "crucial" e assuste investidores do mercado financeiro, o problema não é novo, "está aí há algum tempo".

Questionado se o risco de faltar articulação política aumentou ou diminuiu recentemente, Fraga destacou o apoio do presidente Jair Bolsonaro à proposta apresentada nesta quarta-feira.

"Vi antes de sair do escritório, mais cedo, que o presidente da República se posicionou com muita clareza com relação à importância da reforma. Isso foi um passo essencial. Ele tinha que abraçar essa reforma como dele. Até onde vi, isso foi feito", disse o ex-presidente do BC.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro foi ao Congresso entregar a PEC desenhada pela equipe econômica. Na ocasião, o presidente afirmou que é "importantíssimo" os parlamentares fazerem alterações para "aperfeiçoar o projeto". Bolsonaro também admitiu que o texto enfrentará dificuldades e fez um "mea culpa" ao dizer que errou ao se posicionar contra mudanças na aposentadoria quando era deputado federal.

Sobre as reações contrárias à reforma que vem sendo registradas ao longo desta quarta-feira, Fraga disse que é "impossível se fazer um ajuste dessa magnitude sem cortar alguma coisa praticamente de todo mundo". Mesmo assim, os trabalhadores deveriam ser convencidos de que é melhor fazer sacrifícios agora para garantir a sustentabilidade dos pagamentos no futuro.

"É fundamental não nos esquecermos que essas promessas, do jeito que as coisas andam, não vão ser cumpridas. As promessas de aposentadoria, com o quadro fiscal que temos, não serão cumpridas", disse o ex-presidente do BC.

GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Ver mais de Economia