105 Ouça
Caraguá
ECONOMIA

Porta-Voz: Não existe nenhum tipo de racha nas Forças Armadas; somos unidos

20 Mar 2019 - 21h50Por Julia Lindner

O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, negou que exista algum tipo de racha nas Forças Armadas por causa da proposta de reestruturação de carreira entregue pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso. "Não existe nenhum tipo de racha nas nossas Forças Armadas. Somos unidos, temos projeto e olhamos para o futuro do País", afirmou o porta-voz durante briefing no Palácio do Planalto.

Como revelado pelo Estadão, durante o fim de semana circularam em grupos de Whatsapp de militares de patentes inferiores várias versões do pacote da reforma da Previdência da categoria, o que gerou reação negativa e fez com que o Exército divulgasse uma nota de esclarecimento.

"Os chefes militares compreendem as necessidades dos seus subordinados e são os interlocutores junto ao governo dessas demandas e dessas necessidades. Não se faz necessário que os estamentos mais inferiores da nossa carreira tenham a oportunidade de apresentar diretamente à sociedade. Os chefes militares são responsáveis por isso, e fazem isso por dever de Justiça e por princípio de liderança", disse Rêgo Barros.

GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Ver mais de Economia