transito
ECONOMIA

País precisa avançar em reformas, em especial da Previdência, diz Campos Neto

26 Fev 2019 - 14h08Por Fabrício de Castro, Eduardo Rodrigues e Silvia Araujo

O economista Roberto Campos Neto, indicado para a presidência do Banco Central, defendeu nesta terça-feira, 26, a aprovação de reformas, em especial a da Previdência, e a criação de uma cultura para que haja "mais empreendedores e menos atravessadores"

"Parece haver certo consenso hoje na sociedade que o Estado brasileiro se tornou grande demais, ineficiente, excessivamente custoso e não atende a muitas das necessidades básicas de nossa população", avaliou, em sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

Ele lembrou que o atual governo prometeu implementar uma agenda "modernizadora e liberalizante". "É hora de fazer mais com menos recursos. É necessário eficiência, transparência, prestação de contas e mensuração de impacto quanto ao uso de recursos públicos. E, talvez mais importante que isso, é necessário que o Estado abra espaço para a atividade privada, saindo de cena, ou reduzindo drasticamente sua atuação, em diversas áreas", acrescentou.

Para Campos Neto, a redução da taxa Selic nos últimos anos expôs as imperfeições da economia, como custos burocráticos gerados pela excessiva intervenção estatal. "Agora que temos a Selic em seu mínimo histórico de 6,5% a.a. por quase um ano, temos a oportunidade de perceber melhor essas imperfeições e de propor políticas alternativas que melhorem a eficiência de nossos mercados", comentou.

O economista deu destaque especial à necessidade da reforma da Previdência, mas citou outras medidas para que balanço do setor público entre em trajetória sustentável. "A estabilidade fiscal é fundamental para a redução das incertezas, o aumento da confiança e do investimento, e o consequente crescimento da economia no longo prazo. Estou certo de que avançaremos nessa direção", completou.

A expectativa é de que o nome de Campos Neto seja aprovado ainda nesta terça na comissão e no plenário do Senado. Também passam por sabatina Bruno Serra Fernandes, que ocupará a Diretoria de Política Monetária, e João Manoel Pinho de Mello, que será o titular da Diretoria de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do BC.

Matérias Relacionadas

Economia

Receita abre consulta a maior lote de restituição do IR da história

Cerca de 5,6 milhões de contribuintes receberão R$ 9,5 bilhões
Receita abre consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia

Intenção de Consumo das Famílias avança 1,3% em maio

Esse é o segundo resultado positivo consecutivo, apurado pela CNC
Intenção de Consumo das Famílias avança 1,3% em maio
Santa Catarina

Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia

Implantação do novo sistema comercial teria apresentado instabilidade
Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia
Economia

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC
Ver mais de Economia