Joaçaba Pneus
ECONOMIA

País gastou com proteção social 5 p.p. acima de outros 54 países, diz Tesouro

18 Dez 2018 - 15h50Por Lorenna Rodrigues

O governo brasileiro gastou 12,7% do PIB com proteção social - que inclui principalmente aposentadorias e pensões em 2017, cinco pontos porcentuais (p.p.) acima da média de outros 54 países. Também estão em alta os gastos com juros da dívida pública, enquanto as despesas com saúde e educação ficaram abaixo da média das outras nações. Os dados constam de relatório divulgado nesta terça-feira pelo Tesouro Nacional e que classificou as despesas brasileiras por função, com base em metodologia internacional, para permitir a comparação com outras nações.

Segundo o estudo, a comparação internacional mostra que o governo do Brasil é um dos que mais gastam com proteção social. A média dos países do G-20 e das economias avançadas é 8,2% do PIB, enquanto os emergentes gastam 7,6%.

O relatório mostra que a despesa do governo central no Brasil foi de 33,7% do PIB e 32,75% em 2017, próximo ao nível de países como Dinamarca, Finlândia e Noruega. "O Brasil tem um gasto público do governo central, como porcentual do PIB, semelhante a um grupo de países muito ricos e de tributação elevada", afirma o texto.

Outro item que o gasto brasileiro está acima da média é o de serviços públicos gerais, principalmente por causa do pagamento de juros da dívida. As despesas brasileiras nesse item corresponderam a 13,3% do PIB, enquanto a média dos 54 países foi de 7,3%. Só as despesas com a dívida pública chegaram a 9,70% do PIB, acima do que gastam os emergentes (2,7%) e os países do G-20 (3,17% do PIB).

"A continuidade do cenário de queda dos juros que já se observou, em 2016 e 2017, depende do ajuste fiscal e da volta dos superávits primários. A taxa de juros não é uma variável diretamente sob controle do governo, e a redução do pagamento de juros da dívida é consequência de um ajuste fiscal que seja suficiente para gerar um resultado primário que coloque a relação dívida pública/PIB no Brasil em uma clara trajetória de queda", afirma o documento.

Enquanto os gastos com juros, apesar de ainda altos, foi reduzido em R$ 123,6 bilhões entre 2015 e 2017, a despesa com proteção social cresceu R$ 158,9 bilhões neste período, aumento concentrado em aposentadorias e pensões, que respondem por 70% desse item.

"É imprescindível avançar na reforma da previdência, sem a qual não haverá controle do gasto público no Brasil. Com essa reforma, será possível inclusive melhorar o estado do bem-estar social no país, ao direcionar uma parcela maior do gasto público para a população mais vulnerável e não para as pessoas de maior poder aquisitivo, que se aposentam, em média, com menos de 55 anos de idade", completa o documento.

Educação

Na outra ponta da tabela, os gastos do governo federal com educação foram de 2,4% do PIB em 2017, abaixo da média dos países da amostra, que foi de 3,1%. Os dados não consideram os gastos de Estados e municípios que, no Brasil, são os responsáveis por custear o ensino médio e fundamental. Na saúde, as despesas em 2017 somaram 2% do PIB, enquanto a média dos 54 países foi de 3%.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota

Cerca de 450 pessoas trabalham na unidade
Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota
Economia

Isto é Dinheiro destaca Jaraguá do Sul como modelo para o Brasil

Revista de circulação nacional conta como a cidade se tornou referência em empreendedorismo ao unir iniciativa privada e setor público
Isto é Dinheiro destaca Jaraguá do Sul como modelo para o Brasil
Economia

Para FIESC, reforma da previdência estadual é oportuna, necessária e urgente

Segundo o governo do estado, a previdência estadual tem um déficit financeiro total de R$ 4,8 bilhões anuais, considerando servidores civis e militares.
Para FIESC, reforma da previdência estadual é oportuna, necessária e urgente
Economia

WEG e Engie Brasil Energia, concluem instalação do primeiro aerogerador nacional

Turbina eólica instalada em Tubarão/SC faz parte do projeto do primeiro Aerogerador Nacional, que tem por objetivo desenvolver tecnologia e cadeia produtiva nacionais para a fabricação e instalação de equipamentos de grande porte no país
WEG e Engie Brasil Energia, concluem instalação do primeiro aerogerador nacional
Ver mais de Economia