Delivery Much
ECONOMIA

Onyx diz que governo manterá média de 400 mil casas do MCMV em 2019

16 Mai 2019 - 16h53Por Denise Luna

Sem citar o nome do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV),o ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzzoni, afirmou durante palestra em evento do setor de construção civil que o programa é uma das prioridades do governo e será mantido, "porque o Brasil precisa oferecer habitação digna ao cidadão".

Segundo ele, nos orçamentos deste ano e de 2020 o programa habitacional é prioridade, junto com a infraestrutura.

"Vamos manter a média de 400 mil casas do programa este ano e a meta é subir para 500 mil no ano que vem", informou.

Onyx afirmou que o setor da construção civil precisa ser impulsionado para continuar gerando empregos, já que o desemprego é uma das maiores mazelas do País.

"Já tomamos a decisão, os dois setores prioritários para os recursos orçamentários este ano, que são pequenos, estamos direcionando para o programa Minha Casa Minha Vida e para infraestrutura, para que o setor da construção civil continue gerando os milhares de empregos", afirmou.

Segundo o ministro, aumentar o número de habitações do MCMV vai requerer enorme esforço do governo e para isso o programa está sendo reestruturado." A reestruturação é exatamente para permitir que a gente faça isso, aumente a oferta de habitações", explicou, sem dar detalhes.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena

Os números sorteados neste sábado foram 02, 09, 34, 49, 51, 55
Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
Economia

Nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje

Serão beneficiadas 3,5 milhões de pessoas
Nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial a partir de hoje
Economia

Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões

A quina teve 75 ganhadores, com prêmio individual de R$ 32.688,93
Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões
Economia

Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano

Apesar de alta na inflação, BC decidiu não mexer na Selic
Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
Ver mais de Economia