ECONOMIA

OMC diz não entender que Brasil abriu mão do status de país em desenvolvimento

21 Mar 2019 - 14h34Por Bárbara Nascimento

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, disse nesta quarta-feira, 21, que não entendeu, pelo comunicado oficial da visita do Brasil ao governo americano, que o País tenha aberto mão do status de país emergente e, portanto, deixado de receber o tratamento especial conferido pela OMC a esse grupo. Essa teria sido uma exigência dos Estados Unidos para apoiar a candidatura do Brasil à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Segundo ele, o que o Brasil aceitou foi "abrir mão de usar alguns espaços daqui pra frente". Destacou, no entanto, que os detalhes do acordo têm que ser respondidos pelo governo brasileiro.

Ele defendeu uma aproximação do Brasil com a OCDE e destacou que a organização é importante não só por dar um selo de qualidade ao grupo que a integra, mas por ter o papel de definir a agenda mundial do comércio.

Forma pragmática

O diretor-geral da OMC disse também que o Brasil deve buscar outras oportunidades de comércio "de forma pragmática", em acordos com outros países, "onde quer que elas se apresentem".

Ele ponderou, no entanto, que, sem a mediação da organização, haveria uma "lei da selva" no comércio mundial e todos perderiam, "mesmo os que pensam estar no topo da cadeia alimentar".

Azevêdo frisou, em evento da Câmara de Comércio Internacional (ICC) no Brasil, que o País precisa investir em competitividade.

E destacou que a indústria precisa ser estimulada a produzir visando aos mercados globais e não mais só o consumidor interno. "Não é sustentável a ideia de que um produto possa ser competitivo apenas no mercado interno. A competição é global, o setor privado precisa ter como meta o plano internacional", disse.

Ele afirmou que, sem investimentos para tornar o produto doméstico mais competitivo, nem mesmo o Imposto de Importação alto brasileiro conseguirá impedir que os produtos externos tenham vantagem no Brasil. E destacou que o comércio não é uma solução mágica para a economia do País, mas precisa estar na equação.

Críticas de Trump

O diretor-geral da OMC minimizou também as críticas do presidente Donald Trump à instituição. Ele afirmou que o chefe de Estado americano se utiliza de uma retórica forte para defender, na realidade, uma atualização nas regras da OMC, que reflete ainda um quadro global do comércio da década de 1990.

"O que posso dizer é que o que eles querem na realidade é transformar o sistema multilateral em outro tipo de sistema que, na opinião dele, é mais compatível com realidade atual, que é diferente da de 1995. E essa mudança às vezes é traumática. O que eu digo é: quer chacoalhar a árvore, pode chacoalhar, mas não mata a árvore. O jogo é desestruturar para criar uma coisa nova", disse Azevêdo.

Ele afirmou que os Estados Unidos elogiam internamente o papel da OMC. E explicou que os americanos argumentam que não querem negociar com países que se transformaram em economias mais fortes nos últimos anos e mesmo assim têm tratamento diferenciado pela OMC.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Associado Sicredi Norte SC recebe R$ 50 mil em sorteio do seguro de vida

Entrega simbólica do prêmio ocorreu na Agência Centro em Joinville.
Economia

Governo do Estado realiza reuniões para tratar novo auxílio emergencial

O objetivo foi debater como o auxílio será pago, além de outros trâmites administrativos.
Governo do Estado realiza reuniões para tratar novo auxílio emergencial
Política

Governador vai à Alesc pedir fim do veto em projeto que destina recursos para rodovias federais

Durante reunião com os deputados, o chefe do Executivo elencou os motivos para barrar o veto realizado durante o governo interino.
Governador vai à Alesc pedir fim do veto em projeto que destina recursos para rodovias federais
Economia

Santa Catarina tem mais de 4 mil vagas abertas pelo Sine

As ocupações regulares com mais vagas abertas são: auxiliar de linha de produção; costureira em geral; carpinteiro; operador de processo de produção e servente de pedreiro
Santa Catarina tem mais de 4 mil vagas abertas pelo Sine
Ver mais de Economia