ECONOMIA

Maioria das Bolsas da Europa fecha em baixa, com Brexit e dado da zona do euro

27 Fev 2019 - 17h00Por Gabriel Bueno da Costa

As bolsas europeias fecharam em sua maioria em território negativo, nesta quarta-feira, 27. Monitorando questões de fora do continente, como o depoimento à Câmara dos Representantes do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, em Washington, os mercados reagiram a algumas questões locais, como as incertezas no processo para a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, e um indicador ruim da zona do euro.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,28%, em 372,58 pontos.

Na agenda de indicadores, o índice de sentimento econômico da zona do euro, que abrange o setor corporativo e os consumidores, recuou de 106,3 em janeiro a 106,1 em fevereiro, na mínima desde novembro de 2016. Analistas previam queda maior, a 106,0.

O quadro econômico europeu tem amparado certa cautela em investidores, com o risco de desaceleração. Nesta quarta, o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, afirmou que Itália, Grécia e Chipre mostram "desequilíbrios econômicos excessivos".

A Comissão Europeia não prevê que a dívida pública da Itália recue nos próximos anos, enquanto o orçamento do país não faz o suficiente para garantir seu crescimento, afirmou a autoridade.

Os riscos do Brexit também seguiram em foco. Nesta quarta, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que não pretende aceitar o adiamento da saída do Reino Unido da UE se não houver um motivo claro para isso. A premiê britânica, Theresa May, afirmou nesta quarta que é possível ainda sair da UE com um acordo, evitando o pior cenário para a economia local.

Entre as empresas, a ação da Rio Tinto subiu 0,89%, após a mineradora anglo-australiana conseguir lucro maior em 2018 ante o ano anterior.

Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em baixa de 0,61%, a 7.107,20 pontos. Lloyds teve alta de 1,58%, mas Vodafone caiu 2,20% e Oilex teve queda de 8,20%. BP avançou 0,19%.

Em Frankfurt, o índice DAX caiu 0,46%, a 11.487,33 pontos. Deutsche Bank subiu 1,99%, enquanto Aroundtown recuou 0,99% e Deutsche Telekom teve baixa de 0,10%, entre os mais negociados.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 teve queda de 0,26%, a 5.225,35 pontos. Air France-KLM teve baixa de 11,74%, após o governo da Holanda informar que elevou sua participação na empresa para salvaguardar os interesses nacionais.

O governo da França, que também tem uma fatia da empresa de aviação, afirmou estar surpreso com a novidade. Alguns analistas viram a notícia como negativa para os esforços de reestruturação necessários na empresa.

O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, foi na contramão dos demais e subiu 0,19%, a 20.498,70 pontos. Entre os papéis mais negociados, Intesa Sanpaolo avançou 2,65% e Telecom Italia, 0,34%. Banco BPM teve alta de 4,55%.

Em Madri, o índice IBEX-35 recuou 0,17%, a 9.211,70 pontos. Entre os bancos espanhóis, Santander subiu 0,39% e Banco de Sabadell, 3,08%, mas Urbas Grupo Financiero recuou 1,27% e Abengoa, 4,45%.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 teve queda de 0,04%, a 5.162,05 pontos. Banco Comercial Português subiu 0,21%, mas EDP Renováveis recuou 0,12% e Altri perdeu 0,14%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX

Além de beneficiar clientes e lojistas, a ferramenta ainda servirá para ajudar instituições jaraguaenses cadastradas.
Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul inova com lançamento do CDL BOX
Economia

Geo Portal, da Prefeitura de Jaraguá, alcança mais de 600 consultas diárias

Serviço busca expandir informações geográficas do município de forma simples e rápida
Geo Portal, da Prefeitura de Jaraguá, alcança mais de 600 consultas diárias
Economia

Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões

No ano, o lucro chegou a R$ 2,340 bilhões, avanço de 45% ante o ano anterior
Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões
Economia

Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central

Medida prevê mandatos para dirigentes do órgão
Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central
Ver mais de Economia