Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Juros futuros fecham em baixa, influenciados pela queda do dólar

27 Fev 2019 - 19h41Por Denise Abarca

A curva de juros devolveu prêmios nesta quarta-feira, 27,com as taxas tendo oscilado a maior parte do dia em queda moderada, amparadas no comportamento do dólar, enfraquecido ante o real. O câmbio acabou blindando o mercado de juros da influência do exterior, onde prevaleceu o clima de cautela. Apesar de forte, a agenda doméstica não foi capaz de dar dinâmica para as taxas, tampouco o noticiário em torno da Previdência.

No fechamento das 18h, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 estava em 6,460%, de 6,480% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2021 caiu de 7,132% para 7,08%. A taxa do DI para janeiro de 2023 encerrou a 8,19%, de 8,232%. A taxa do DI para janeiro de 2025 recuou para 8,73%, de 8,762%.

A correlação entre câmbio e juros se deu desde a primeira etapa dos negócios, mas à tarde fatores técnicos contribuíram. No início da jornada vespertina, as taxas chegaram a zerar a queda e migrar para a estabilidade, batendo máximas, o que atraiu vendas, com mínimas a partir da última hora da sessão regular. Segundo um operador, o movimento foi iniciado pela atuação de um grande player.

A agenda doméstica foi apenas monitorada. Nem mesmo o IGP-M de 0,88% em fevereiro, acima do teto das estimativas dos analistas (0,75%), teve impacto na curva. Pela manhã, saíram ainda a nota de crédito do Banco Central e a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua. À tarde, o Tesouro informou que o governo central teve superávit de R$ 30,2 bilhões em janeiro, valor maior do que o que indicava a mediana das previsões de R$ 27,900 bilhões.

No radar, esteve ainda a reunião da líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), com o ministro da Economia, Paulo Guedes, da qual participaram ainda os presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Ela disse que vai procurar a oposição para conversar sobre a reforma da Previdência, começando pelo PSB e pelo PDT, e reiterou afirmação dada mais cedo pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de que a economia de R$ 1,1 trilhão prevista no texto é "inegociável".

Pesquisa do Morgan Stanley com investidores e clientes do banco mostrou que a expectativa é que o texto aprovado traga economia fiscal em média de R$ 690 bilhões. Segundo o levantamento, 93% deles esperam que a reforma seja aprovada, com 63% prevendo que a votação na Câmara ocorra até julho e 20% em agosto. Com isso, a taxa do DI janeiro de 2024, que hoje está em 8,50%, fique em 8,18% no final do ano. Se a economia fiscal for maior que R$ 800 bilhões, o banco vê esta taxa abaixo de 8% no fim de 2019.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Ver mais de Economia