ECONOMIA

Juros fecham em alta com dólar, exterior e cautela com Previdência

28 Fev 2019 - 18h06Por Denise Abarca

Os juros futuros terminaram a sessão regular desta quinta-feira, 28, em alta, mais acentuada nos contratos de longo prazo. A trajetória das taxas foi definida por um conjunto de fatores, mas a agenda doméstica, que trouxe em destaque o PIB do quarto trimestre e de 2018, ficou em segundo plano. Ajustes técnicos típicos de fim de mês, câmbio pressionado, o ambiente externo e declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre a proposta de reforma da Previdência, além do leilão grande de prefixados do Tesouro, foram os principais argumentos a justificar a postura mais cautelosa hoje do investidor.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,485%, de 6,450% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2021 subiu de 7,081% para 7,15%. A taxa do DI para janeiro de 2023 fechou em 8,25%, de 8,192%, e a do DI para janeiro de 2025 avançou de 8,732% para 8,78%.

As taxas estiveram em alta desde a etapa matutina. No exterior, dados fortes da economia norte-americana, em especial o PIB do quarto trimestre que teve crescimento anualizado de 2,6%, acima da mediana das estimativas (2,2%), deram força tanto ao dólar em relação a divisas de economias emergentes quanto ao rendimento dos Treasuries. Em meio a isso, há ainda cautela geopolítica diante da frustração em relação a um entendimento entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

O dólar esteve em baixa durante um breve período da manhã, mas voltou a subir ante o real no começo da tarde, quando também os juros aceleravam para as máximas. O movimento foi atribuído a uma reação do mercado à declaração do presidente, em encontro com jornalistas, de que é possível uma mudança na idade mínima para aposentadoria das mulheres na proposta de reforma da Previdência. A proposta inicial fala em 62 anos para mulheres e 65 para homens.

Por aqui, a agenda trouxe o PIB do quarto trimestre, que cresceu apenas 0,10% ante o trimestre anterior, mas em linha com a mediana das estimativas. Em 2018, a economia mostrou expansão de 1,1% ante 2017, taxa que era o piso das previsões.

Às 16h49, o dólar à vista subia 0,58%, aos R$ 3,7520.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Ver mais de Economia