Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Juros exibem viés de baixa, após alta pontual com dólar no radar

15 Mar 2019 - 11h55Por Silvana Rocha

Os juros futuros exibiam viés de baixa, após terem subido pontualmente acompanhando o dólar ante o real. A desaceleração das taxas futuras segue também o enfraquecimento na manhã desta sexta-feira, 15, do dólar, depois da moeda ter registrado suas máximas mais cedo em meio a uma grande saída de capitais que seria de um fundo estrangeiro, de acordo com profissionais de câmbio.

No começo da sessão, os agentes de renda fixa fizeram a leitura da Pesquisa Mensal de Serviços e do Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de março, e mantêm a reforma da Previdência no foco.

Segundo esses profissionais, a aceleração do IGP-10 de março não altera a percepção de inflação sob controle a exemplo do avanço do IPCA de fevereiro. Sinais mais claros sobre a visão do Banco Central para a inflação são aguardados no comunicado da decisão do Copom na próxima quarta-feira.

A expectativa majoritária do mercado é de manutenção da taxa em 6,50% este ano, mas após o arrefecimento dos preços de serviços do IPCA e do resultado fraco da produção industrial voltou a aparecer também na curva de juros uma precificação residual de corte da taxa.

O IGP-10 subiu 1,40% em março, após ter aumentado 0,40% em fevereiro, acima das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma alta entre 0,80% e 1,39%, com mediana positiva de 1,23%.

Já os dados do setor de serviços vieram abaixo da mediana das expectativas do mercado. O volume de serviços prestados encolheu 0,3% em janeiro de 2019 ante dezembro de 2018, na série com ajuste sazonal, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços. No mês anterior, o resultado foi revisto de uma alta de 0,2% para aumento de 1,0%. O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que previam desde uma queda de 0,40% a um avanço de 0,70%, com mediana positiva de 0,20%.

Na comparação com janeiro do ano anterior, houve alta de 2,1% em janeiro de 2019, já descontado o efeito da inflação. Nessa comparação, as previsões iam de avanço de 0,20% a 2,70%, com mediana positiva de 1,80%. A taxa acumulada no ano foi de 2,1%. Em 12 meses, houve elevação de 0,3%.

Às 10h31, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 estava em 6,96%, ante máxima em 7,06%, de 6,97% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2023 indicava 8,07%, ante máxima em 8,14%, de 8,08% do ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2025 caía a 8,58%, ante máxima em 8,67%, de 8,61% no ajuste de ontem. No câmbio, o dólar à vista recuava 0,29%, a R$ 3,8377. O dólar futuro para abril caía 0,16%, aos R$ 3,840.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Arrecadação catarinense cresce 5,7% em fevereiro

Somente com ICMS, a soma foi de R$ 2,22 bilhões, de acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC) nesta quinta-feira (4)
Arrecadação catarinense cresce 5,7% em fevereiro
Economia

IPTU 2021 vence dia 10 de março em Jaraguá

Quem optar pelo pagamento a vista terá desconto de 10%
Política

Licitação para reforma da escola Albano Kanzler deve ser lançada em 30 dias

Obra é aguardada há 20 anos pela comunidade
Licitação para reforma da escola Albano Kanzler deve ser lançada em 30 dias
Economia

Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete

Tabela foi publicada hoje no Diário Oficial da União
Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete
Ver mais de Economia