Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Juros disparam com forte aversão ao risco no exterior e crise política

22 Mar 2019 - 19h15Por Denise Abarca

O forte aumento da aversão ao risco no exterior nesta sexta-feira, 22, pegou os mercados domésticos já abalados pela crise política que ameaça a tramitação da reforma da Previdência, fertilizando ainda mais o terreno para uma expressiva correção na curva de juros. Boa parte dos contratos mais líquidos terminou a sessão regular com taxas nas máximas e a ponta longa, principal alvo da zeragem de posições, teve ganho de prêmio de mais de 30 pontos-base nos vencimentos a partir de 2023.

A ponta curta também teve alta considerável, embora em menor grau do que a longa. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 encerrou em 6,480%, de 6,355% na quinta no ajuste. A do DI para janeiro de 2021 fechou em 7,14%, de 6,871% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2023 encerrou em 8,29%, de 7,942%, e a do DI para janeiro de 2025 subiu de 8,491% para 8,84%. Desse modo, as taxas terminaram a semana em patamares bem acima dos registrados na sexta-feira anterior. "Hoje (sexta) foi uma tempestade perfeita aqui e lá fora", disse o sócio-gestor da LAIC-HFM, Vitor Carvalho. "Juntou a fome com a vontade de comer", endossou Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe da CA Indosuez Brasil.

A começar pelo exterior, uma série de indicadores fracos de manufatura dos EUA, Japão, Alemanha e zona do euro estimularam uma postura defensiva por busca de proteção no dólar e títulos dos Treasuries e bunds alemães, cujo rendimento do papel de 10 anos ficou negativo pela primeira vez desde 2016. Houve ainda inversão da curva curta dos Treasuries. "Essa inversão é forte sinal de recessão mais à frente. As preocupações com a desaceleração global mudam de patamar a partir disso", explicou Caramaschi. Tal contexto é visto como preocupante para ativos de economias emergentes, normalmente alvo de liquidação pelos investidores em fuga pela qualidade.

Num mercado já estressado pelo exterior, o clima de apreensão no fim da sessão se agravou após o presidente Jair Bolsonaro ter saído em defesa de seu filho, Carlos Bolsonaro, que na quinta criticou indiretamente o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por adiar a tramitação do projeto anticrime enviado pelo ministro Sergio Moro.

Com isso, Maia na quinta-feira ameaçou deixar a articulação política da reforma da Previdência, em função não só dos ataques que tem recebido nas redes sociais, mas também da falta de articulação do governo e com os recentes embates com Moro. Oficialmente, Maia afirmou no Twitter que não vai deixar a articulação, mas, ao mesmo tempo, disse ao BR18 que cabe ao governo conseguir os votos necessários para a aprovação da reforma.

Bolsonaro, que está no Chile, disse que a declaração do filho não é motivo para a ameaça de Maia. "Será que esse foi o motivo? Se foi esse o motivo, eu lamento, mas isso não é motivo." O presidente afirmou saber que todo o Brasil está indignado com a demora na votação do projeto de lei anticrime.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal

Marca apresenta peças atemporais como moletons, malhas texturizadas, calças jogger, jeans e tricôs clássicos para serem usados por vários invernos
Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal
Geral

Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro

A partir de agora, os municípios irão dividir custos para manutenção e disponibilização de material/equipamento para a manutenção da via. 
Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro
Economia

Corupá está com vagas de trabalho abertas

Confira as oportunidades de emprego nas empresas do município
Corupá está com vagas de trabalho abertas
Economia

Entenda as mudanças da PEC Emergencial

Proposta reinstitui auxílio em troca de medidas de ajuste fiscal
Entenda as mudanças da PEC Emergencial
Ver mais de Economia