105 Ouça
Caraguá
ECONOMIA

IPC deve fechar março em alta de 0,36% e 2019 em torno de 4%, prevê Fipe

12 Mar 2019 - 13h43Por Francisco Carlos de Assis

O coordenador do IPC-Fipe, Guilherme Moreira, previu nesta terça-feira, 12, que o indicador que mede a variação dos preços na capital paulista deve fechar março com uma alta de 0,36% e o ano em torno de 4%. Em fevereiro, o indicador mostrou uma alta de 0,54%.

Muito da desaceleração prevista por Moreira para a inflação de março em São Paulo considera um arrefecimento dos preços dos alimentos na esteira da melhora prevista para o clima, com a redução na intensidade das chuvas. Soma-se ao efeito climático a baixa demanda que o desemprego tem provocado na economia.

"Para gente que acompanha preços, não vemos nenhuma pressão inflacionária vida da demanda. É só de custos", disse Moreira.

Ele cita como exemplo do quadro atual a mudança de padrão sazonal do setor de vestuário. "Não vemos mais nenhuma pressão de preços na entrada no mercado de coleções a cada nova estação nem aquelas grandes liquidações nas saídas de estações", disse Moreira.

De acordo com o coordenador da Fipe, o padrão sazonal não só dos vestuário, mas também de outros segmentos, só retornará à normalidade quando o País resolver a questão do desemprego. Ocorre, diz ele, que o desemprego será uma das variáveis que mais vai demorar para voltar ao padrão normal.

Moreira concorda com alguns economistas segundo os quais a questão do desemprego poderá levar todo o tempo do governo Bolsonaro para ser resolvida. "Se pegarmos o nível de emprego que chegou a 6,5%, vai demorar muito tempo para voltar à normalidade", disse o coordenador da Fipe.

Feijão, batata e alface

Feijão, batata e alface. Três alimentos que sintetizam a variação de 0,54% do IPC da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) na primeira quadrissemana de março, conforme definiu Guilherme Moreira.

O feijão, de acordo com a tomada de preços da Fipe na capital paulista na primeira quadrissemana deste mês, teve seu preço aumentado em 59,69%. No ano, o grão já acumula alta de 80%. A batata teve seu preço majorado em 28,19% no período das últimas quatro semanas comparativamente às quatro semanas imediatamente anteriores. O preço da alface sofreu uma elevação de 25,23%.

Nos três casos, os aumentos dos preços estão relacionados ao clima. A alface, que dos três produtos é a que tem o ciclo de produção mais curto, está refletindo as fortes chuvas das últimas semanas sobre os cinturões verdes próximos da capital paulista. No caso do feijão e da batata, são chuvas e o forte calor ocorridos há mais tempo.

"O índice todo é feijão, batata e alface", disse Moreira.

Mas ele relativiza as pressões sob o diagnóstico de uma melhora do clima com o final do verão e já cita variações na ponta (média de preços na última semana em comparação com a semana anterior) que apontam para a diminuição do ritmo de alta, rumo à estabilidade.

Tirando os alimentos, a alta mais expressiva no IPC-Fipe na primeira leitura de março foi a do IPTU na capital paulista. Subiu 5,73%, mas já num ritmo menor que o aumento de 7,71% do fechamento de fevereiro.

GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Ver mais de Economia