ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cai 0,4% em março ante fevereiro, diz CNC

22 Mar 2019 - 11h44Por Daniela Amorim

Os brasileiros ficaram menos propensos às compras em março, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A intenção de consumo das famílias caiu 0,4% em relação a fevereiro, após quatro meses de altas consecutivas.

O recuo foi puxado pela queda de quatro dos sete componentes da pesquisa: Momento para Aquisição de Bens Duráveis (-2,4%), Nível de Consumo Atual (-1,5%), Perspectiva Profissional (-0,8%) e Emprego Atual (-0,2%).

Na comparação com março de 2018, o ICF está 11,4% mais elevado em março deste ano, com resultados positivos disseminados entre todos os componentes. Os destaques foram os avanços no Nível de Consumo Atual (+19,5%) e Perspectiva de Consumo (+19,0%).

"A demora na implementação das reformas e do ambiente mais apropriado para investimentos vem ditando o ritmo lento da economia, de maneira que os preços têm-se mantido estáveis. Entretanto, o desemprego continua elevado, e os consumidores já não se apresentam tão otimistas quanto nos últimos quatro meses", avaliou o economista Antonio Everton, da CNC, em nota oficial.

Regionalmente, as famílias residentes no Norte do País foram as únicas a registrar avanço na intenção de compras em março ante fevereiro, com alta de 2,6%. O Centro-Oeste teve a maior queda no indicador no período, -3,8%.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor amanhã
Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
Economia

Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Receita espera receber 32,6 mi de declarações até 30 de abril
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Mega-Sena sai para um apostador que ganha 49 milhões

Próximo sorteio será quarta-feira
Saúde

Entidades empresariais manifestam apoio ao decreto do Governo do Estado

Ver mais de Economia