Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

INSS investe em digitalização e fim de cargos políticos para combater fraude

16 Fev 2019 - 08h59Por Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes

O INSS vai investir na digitalização das análises de benefícios para combater fraudes e zerar a fila de espera por aposentadorias, que hoje chega a 2 milhões de pedidos, segundo o presidente do órgão, Renato Rodrigues Vieira. Em sua primeira entrevista desde que assumiu o cargo, ele informou que vai enxugar a estrutura burocrática do órgão, que tem cinco superintendências e 104 gerências executivas - que servem, segundo ele, para abrigar indicações políticas de aliados do governo. "Faremos um processo seletivo (para esses cargos) e apenas funcionários de carreira participarão."

Vieira assumiu o órgão com quatro principais desafios: implementar as medidas antifraude elaboradas pelo governo na Medida Provisória (MP) 871 - que incluem um amplo pente-fino em benefícios -, digitalizar os processos, modernizar a gestão e reduzir a judicialização. O INSS paga anualmente R$ 92 bilhões em benefícios concedidos pela via judicial (cerca de 15% do total), a maioria de auxílios-doença e aposentadorias por invalidez.

O presidente reconhece que hoje o órgão não consegue cumprir o prazo máximo de até 45 dias para dar resposta sobre o pedido de um benefício, o que contribui para a judicialização. Mas ele afirma que há também necessidade de uniformizar interpretações da lei em diálogo com órgãos de controle e o Judiciário e de coibir fraudes que induzem os juízes a erro. "Há uma profissionalização da fraude, então precisa haver profissionalização ainda maior do controle", diz.

O INSS é o único órgão do governo que ainda tem uma tramitação de processos totalmente em meio físico, o que implica às vezes em envio de documentos de um Estado para outro e uma burocracia enorme por trás do serviço prestado. Isso amplia as brechas disponíveis aos chamados "atravessadores", que orientam pessoas a pedirem benefícios a que elas não têm direito e contam até mesmo com ajuda de funcionários das próprias agências do INSS.

A digitalização, segundo Vieira, vai ajudar a fechar essas portas de entrada para as fraudes, em conjunto com a centralização da análise dos pedidos de benefício em equipes que se especializarão nesse trabalho. Elas poderão atuar até de maneira remota. "Temos um projeto de tornar a análise cada vez mais impessoal e desterritorializada", afirmou.

A racionalização das atividades também envolve o corte no número de unidades gestoras que não atendem à população. A ideia é reduzir o número de pessoas envolvidas na burocracia interna do INSS - hoje, um terço da equipe cuida de tarefas como pagamento da folha e concessão de férias de servidores. "É preciso fazer mais com menos", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Ver mais de Economia