Economia

Indústria têxtil e de confecções vai propor nova legislação tributária para o setor

Novas regras que sejam claras, simples e mantenham incentivos fiscais e alíquota de 3% do ICMS para o setor

21 Mar 2019 - 18h30Por FIESC

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) obteve, do secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, a sinalização para a construção de uma legislação simplificada e clara e que mantenha os incentivos fiscais à indústria catarinense. Em encontro, realizado na secretaria da Fazenda, na quarta (20), para tratar do setor têxtil e confecções, Eli solicitou que o segmento apresente, em até 15 dias, propostas para uma nova lei que regulamente a tributação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do setor. 

Além da simplificação das regras, houve um entendimento pela manutenção de uma alíquota de 3% de ICMS para a área têxtil para vendas no mercado nacional.

O presidente da Câmara de Assuntos Tributários da FIESC, Evair Oenning, considerou o resultado da reunião como muito positivo. “Foi a primeira reunião de um setor econômico específico, no caso, o da moda. Foi bastante produtiva e estamos saindo com uma lição de casa para apresentar uma proposta de legislação mais simplificada”, disse. 

“Nossa proposta é proporcionar a redução de custos tanto da Fazenda, em fiscalizar, quanto das empresas em produzir os documentos, porque hoje a legislação é muito complexa, conflitante e gera muitas dúvidas e muito contencioso; queremos uma legislação única e que não gere esses conflitos”, afirmou o secretário. Paulo Eli destacou que os mesmos princípios devem ser aplicados a outros segmentos industriais.

Além de Oenning, a FIESC foi representada pelo diretor institucional e jurídico, Carlos José Kurtz, e por diretores de sindicatos e empresas do setor da moda.

Setor da moda
Com 9,2 mil estabelecimentos, o setor têxtil e de confecção é o maior empregador entre os diversos segmentos da indústria catarinense, totalizando mais de 160 mil postos de trabalho. O segmento exportou, em 2018, o correspondente a 1,5 milhão de dólares.

Incentivos fiscais
A discussão sobre os incentivos fiscais para a indústria foi intensificada a partir da promulgação dos decretos 1.860, 1.866 e 1.867, em dezembro de 2018, que revogavam esses benefícios, o que, para a FIESC representa aumento da carga tributária, inclusive para alimentos da cesta básica, e risco de afastamento de investimentos no território catarinense.

Os efeitos dos decretos, ou seja, a elevação das alíquotas, podem entrar em vigência a partir do próximo dia 1º de abril. Como medida alternativa, a Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei 24/2019, que adia a vigência dos decretos 1.866 e 1.867, mas que ainda precisa ser sancionado pelo governador Carlos Moisés da Silva.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Renault, WEG e EDP fazem parceria para expandir estações de recarga para veículos elétricos

A WEG fornecerá as estações de recarga para veículos elétricos e a EDP será responsável pelas vistorias e pela instalação dos equipamentos
Renault, WEG e EDP fazem parceria para expandir estações de recarga para veículos elétricos
Economia

Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial

Texto também terá bloqueio administrativo
Presidente sanciona a Lei Orçamentária de 2021 com veto parcial
Política

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial

Julgamento foi suspenso por pedido de vista do ministro Marco Aurélio
Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial
Economia

BC aprova obrigatoriedade de bancos ofertarem Pix por agendamento

Instituições também ganharam mais prazo para Pix Cobrança
BC aprova obrigatoriedade de bancos ofertarem Pix por agendamento
Ver mais de Economia