Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Índice de evolução da produção cai para 48,3 pontos em novembro, diz CNI

20 Dez 2018 - 09h43Por Sandra Manfrini

A atividade industrial ainda segue em ritmo lento, com queda da produção e do emprego. Isso é o que mostra a Sondagem Industrial de novembro, divulgada nesta quinta-feira, 20, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com o levantamento, o índice que mede a evolução da produção ficou em 48,3 pontos em novembro, abaixo da linha divisória de 50 pontos, o que significa que há queda na produção. Em outubro, esse indicador havia sido de 54,7 pontos.

"O desempenho da indústria foi fraco, como é tradicional para o mês de novembro", observa o economista da CNI Marcelo Azevedo. Além do índice de produção baixo, o indicador que mede o número de empregados em novembro ficou em 49,1 pontos.

Os indicadores da pesquisa variam de zero a 100 pontos. Quando ficam abaixo de 50 pontos, mostram queda da produção e do emprego.

Com esse desempenho, a utilização da capacidade instalada (UCI) ficou estável no mês passado, em 69%, mesmo porcentual registrado em outubro.

Segundo a CNI, a ociosidade é menor nas grandes empresas, onde a UCI alcançou 73% em novembro. Nas pequenas, o índice foi de 62% e, nas médias, 67%.

"Embora em melhor patamar que em anos anteriores, a utilização da capacidade instalada ainda está distante do usual", diz a Sondagem Industrial.

A pesquisa revela que o nível de estoques em relação ao planejado caiu de 50,8 pontos em outubro para 50,2 pontos em novembro. Isso indica, segundo a CNI, que os estoques estão muito próximos do planejado pelos empresários. O índice de evolução dos estoques registrou 48,4 pontos, mostrando queda dos estoques.

Expectativas

Apesar do ritmo ainda lento da indústria, os empresários do setor encerram o ano com otimismo, de acordo com a CNI. Para os próximos seis meses, os industriais brasileiros esperam aumento da demanda, da compra de matérias-primas, do número de empregados e das exportações. Todos os indicadores de expectativas da pesquisa subiram pelo segundo mês consecutivo e ficaram acima dos 50 pontos, indicando otimismo para o futuro próximo.

Na avaliação da CNI, essa melhora das expectativas ocorre porque o País voltou a discutir as reformas que, para o economista Marcelo Azevedo, são decisivas para estimular a atividade. "A possibilidade de que as reformas sejam encaminhadas e tenham alguma evolução no início do próximo ano anima os empresários", diz Azevedo.

O indicador de intenção de investimento aumentou 0,5 ponto agora em dezembro, atingindo 55,5 pontos. Esse é, segundo a CNI, o maior valor registrado desde abril de 2014. Essa disposição para investir é maior nas grandes empresas, que teve índice de 62,9 pontos, enquanto as médias empresas registraram 51,6 pontos e as pequenas, 44,8 pontos.

A Sondagem Industrial foi feita entre 3 e 12 de dezembro com 1.961 empresas. Dessas, 813 são pequenas, 699 são médias e 449 são de grande porte.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço

O insumo teve alta superior a 100% em 12 meses e tem impactado diversos setores, principalmente a construção e o metalmecânico
FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço
Economia

Sine de Santa Catarina tem 5.145 vagas de emprego abertas

Todas as vagas são para contratações efetivas, os pré-requisitos e a carga horária variam de acordo com o cargo.
Sine de Santa Catarina tem 5.145 vagas de emprego abertas
Geral

Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC

Atuação do Sicredi junto a agricultura familiar e em toda a cadeia produtiva do agronegócio fomenta o desenvolvimento econômico.
Sicredi fortalece o compromisso com a agricultura familiar em SC
Economia

Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota

Cerca de 450 pessoas trabalham na unidade
Após venda de fábrica em Schroeder, Menegotti divulga nota
Ver mais de Economia