CMJS - Novembro
ECONOMIA

Ibovespa fecha perto da estabilidade, mas perde 4,5% na semana

17 Mai 2019 - 19h42Por Paula Dias

Depois de ter subido até 1,44% pela manhã, numa tentativa de recuperar perdas recentes, o Índice Bovespa perdeu força no período da tarde, sucumbindo às diversas incertezas do cenário nesta sexta-feira, 17. A busca por posições defensivas manteve o investidor retraído o principal índice da B3 ficou praticamente estável (-0,04%), aos 89.992,73 pontos. Assim, renovou o piso do ano e encerrou a semana com perda acumulada de 4,52%.

O ambiente político conturbado foi o principal fator negativo do dia, afirmam analistas e operadores de ações. Continuaram no radar a percepção de desgaste do governo Jair Bolsonaro e as dúvidas quanto à capacidade do governo de obter apoio à reforma da Previdência, em meio à deterioração dos indicadores econômicos. O cenário internacional também deu contribuição importante ao mau humor do investidor, com novos sinais de intensificação da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

"No Brasil, a frente política se mostra em guerra, num ambiente bastante conturbado. Lá fora a situação não ajuda, com os chineses mostrando que não estão interessados em retomar as negociações com os EUA. Era um cenário que já estávamos monitorando e parece se confirmar", disse Rafael Passos, analista da Guide Investimentos.

Passos chama a atenção para o comportamento negativo das ações de empresas estatais, importantes termômetros do risco político doméstico. Ele afirma que a aversão ao risco fica clara quando se observa o desempenho de papéis como Banco do Brasil ON (-1,73%), Petrobras PN (-2,33%) e Eletrobras ON (-1,35%). No caso das ações do BB, a queda acumulada na semana somou nada menos que 10,59%, mais que o dobro da variação do Ibovespa no período.

Para Eduardo Guimarães, especialista em ações da Levante Ideias de Investimento, o evento mais crítico da semana foi a derrota do governo no caso da convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, para explicar no plenário da Câmara o contingenciamento de custos no ministério. As manifestações populares em protesto contra os cortes, na mesma quarta-feira em que o ministro falou aos parlamentares, completaram o cenário negativo para o presidente Jair Bolsonaro, que chamou os manifestantes de "idiotas úteis".

"Volatilidade é o nome do jogo. O que estava estranho no início do dia era a bolsa subir, em um dia de alta firme do dólar, com incertezas aqui e lá fora", disse Guimarães. Segundo ele, o mercado também reagiu mal à declaração de Bolsonaro sobre a Petrobras. Em sua tradicional "live" no Facebook, na quinta, o presidente disse que poderia rever a política de preços se não houver prejuízos para a estatal. Petrobras PN e ON terminaram o dia com perdas de 2,33% e 0,79%, nesta ordem, contando também com a influência das quedas do petróleo no mercado internacional.

Matérias Relacionadas

Geral

Software exclusivo auxilia na eficiência da tomada de decisões

Software exclusivo auxilia na eficiência da tomada de decisões
Economia

Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre

IBC-Br avalia atividade econômica e influencia decisões sobre Selic
Atividade econômica cresce 0,91% no terceiro trimestre
Economia

Dólar ultrapassa R$ 4,18, segundo maior valor desde criação do real

A moeda acumula valorização de 4,43% no mês
Dólar ultrapassa R$ 4,18, segundo maior valor desde criação do real
Geral

Transformação digital pode gerar grande impacto econômico global

O tema foi debatido nesta quarta-feira (13) em workshop da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em Brasília
Transformação digital pode gerar grande impacto econômico global
Ver mais de Economia